Sobre o Autor:

André C. Rocha

André C. Rocha

Apaixonado pela NBA desde que viu o Dream Team em 92, torcedor do Bulls e defensor da tese de que "73 não vale nada sem um título". Desde de 2014 tem um tumblr sobe esportes e que tem como assunto principal o basquete: http://entrequatrolinhas.tumblr.com

Michael Jordan no All Star Game da NBA

Completando 55 anos em meio ao All Star Weekend de 2018, relembre os melhores momentos de Michael Jordan em suas participações no All Star Game da NBA

POR André C. Rocha dia

Neste dia 17 de fevereiro Michael Jordan, para muitos o melhor jogador de basquete de todos os tempos, completa 55 anos!

E como estamos em meio ao All Star Weekend da NBA em 2018, vamos relembrar as participações do craque 6 vezes campeão pelo Chicago Bulls, 6 vezes MVP das Finais, 5 vezes MVP, 3 vezes MVP do All Star Game, 14 vezes All Star, 11 vezes nos Times Ideais da NBA e 2 vezes campeão do Torneio de Enterradas, entre tantas outras coisas.

Confira um resumo de Jordan no ASG:

  • 1985 - 7 pontos, 6 rebotes, 2 assistências, 3 roubos de bola e 1 toco em 22 minutos
  • 1986 - não jogou, pois estava lesionado
  • 1987 - 11 pontos, 4 assistências e 2 roubos em 28 minutos
  • 1988 - 40 pontos, 8 rebotes, 3 assistências, 4 roubos e 3 tocos em 29 minutos - MVP
  • 1989 - 28 pontos, 2 rebotes, 3 assistências e 5 roubos em 33 minutos
  • 1990 - 17 pontos, 5 rebotes, 2 assistências, 5 roubos e 1 toco em 29 minutos
  • 1991 - 26 pontos, 5 rebotes, 5 assistências e 2 roubos em 36 minutos
  • 1992 - 18 pontos, 1 rebote, 5 assistências e 2 roubos em 31 minutos
  • 1993 - 30 pontos, 4 rebotes e 5 assistências em 36 minutos
  • 1996 - 20 pontos, 4 rebotes, 1 assistência e 1 roubo em em 22 minutos - MVP
  • 1997 - 14 pontos, 11 rebotes, 11 assistências e 2 roubos em 26 minutos
  • 1998 - 23 pontos, 6 rebotes, 8 assistências e 3 roubos em 32 minutos - MVP
  • 2002 - 8 pontos, 4 rebotes, 3 assistências e 2 roubos em 22 minutos
  • 2003 - 20 pontos, 5 rebotes, 2 assistências e 2 roubos em 36 minutos

Cabe lembrar que após seu 3º título da NBA em 1993 Jordan se aposentou pela 1ª vez, voltando após o All Star Game de 1995 e que 1998, após seu 6º título, parou novamente, retornando à liga em 2001 com a camisa do Washington Wizards.

1985 - Indiana

Em seu 1º All Star Jordan teve sua menor pontuação em Jogos das Estrelas.

Também foi sua 1ª participação no Slam Dunk Contest, sendo vencido por Dominique Wilkins na decisão.

1987 - Seattle

Em sua 3ª temporada na NBA e após perder a temporada anterior com o pé quebrado, Jordan voltou ao ASG.

E o camisa 23 conquistou em 1987 seu primeiro título de Enterradas.

1988 - Chicago

Jogando "em casa", Jordan deu show em todo o All Star Weekend de 1988.

Após marcar 40 pontos, a 2ª maior marca da história à época, Jordan foi eleito o MVP pela 1ª vez!

Além disso, MJ se tornou o 1º vencedor do campeonato de enterradas em anos consecutivos.

1989 - Houston

Jordan desistiu de disputar o Campeonato de Enterradas a partir de 1989, mas foi o cestinha do Jogo das Estrelas com 28 pontos.

1990 - Miami

Jordan em 1990 decidiu participar do Campeonato de Arremessos de 3 pontos, mas acabou eliminado na 1ª rodada.

No Jogo de domingo, Jordan marcou 17 pontos.

1991 - Charlotte

Em 1991 Jordan conseguiu sua 3ª maior pontuação em Jogos das Estrelas com 26 pontos, liderando a vitória do Leste. Porém, o MVP foi seu companheiro de time Charles Barkley.

1992 - Orlado

O All Star Game de 1992 teve um grande nome e ele foi Magic Johnson, que voltava a atuar após o anúncio de que era portador de HIV.

Magic foi o MVP do jogo e conduziu o Oeste a vitória.

Jordan acabou o jogo com 18 pontos.

1993 - Utah

O All Star Game de 1993 teria sido o último de Jordan se ele não tivesse voltado à NBA após sua primeira aposentadoria.

Os donos da casa Karl Malone e John Stockton brilharam e levaram o Oeste à vitória e foram eleitos MVP.

Jordan acabou com 30 pontos, sua 2ª maior pontuação como All Star.

1996 - San Antonio

Jordan voltou ao ASG em 1996 em sua 1ª temporada completa após seu retorno á liga.

E o craque dos Bulls foi eleito o MVP do jogo ao marcar 20 pontos e conduzir o Leste à vitória.

1997 - Cleveland

Em 1997 Jordan se tornou o 1º jogador a conseguir um triplo duplo em um All Star Game (14-11-11).

E ainda hoje ele é o jogador que conseguiu isso em menos minutos, com apenas 26.

1998 - Nova Iorque

Jogando em sua cidade natal, Jordan levou o Prêmio de MVP do ASG pela 3ª vez em 1998, em um jogo que ficou marcado pelo duelo de MJ com o jovem Kobe Bryant.

Jordan teve 23 pontos e conduziu o Leste à vitória.

2002 - Philadelphia

Após seu 2º retorno à NBA, Jordan teve sua 2ª menor pontuação em um ASG com 8 pontos em 22 minutos.

Porém, ele ainda teria mais uma chance de brilhar no Jogo das Estrelas.

2003 - Atlanta

Em sua despedida do All Star Game, Jordan aos 39 anos quase acabou de forma perfeita.

A 4.8 segundos do fim do jogo, o camisa 23 colocou o Leste 2 pontos à frente do placar e se o jogo acabasse assim, certamente Jordan teria mais um troféu de MVP na estante de casa.

Só que a partida acabou indo para a prorrogação e o Oeste saiu vencedor com Kevin Garnett como MVP.

No intervalo do jogo Michael foi homenageado e foi às lágrimas...

Era a despedida do craque da maior festa da NBA!

#TheGoat 

#ILoveThisGame #Entre4Linhas

Curta: www.facebook.com/entrequatrolinhas

A revolução no Cleveland Cavaliers na data limite para trocas na NBA

Furacão passa por Ohio e Cleveland Cavaliers troca metade do seu elenco. Entenda as negociações que resultaram nas saídas de nomes como Thomas, Wade e Rose

POR André C. Rocha dia
A revolução no Cleveland Cavaliers na data limite para trocas na NBA
Cleveland Cavaliers implode na "trade deadline" da NBA (Foto: Boston Herald-Associated Press)

No dia seguinte a uma vitória marcante diante do Minnesota Timberwolves por 140 a 138 na prorrogação, onde LeBron James foi decisivo nos segundos finais nos 2 lados da quadra, o Cleveland Cavaliers fez uma grande revolução em seu elenco para o restante da temporada 2017-18 da NBA.

Provavelmente um candidato ao título - sim, apesar dos pesares, poucos duvidavam que os Cavs eram candidatos a voltar às Finais da NBA - nunca fez tantas movimentações assim na "trade deadline" (a data limite de troca em uma temporada).

Pareceu que um furacão passou por Ohio e Isaiah Thomas, Dwyane Wade, Jae CrowderDerrick Rose, além de Iman Shumpert e Channing Frye, deixaram o time tricampeão do Leste.

Foi uma prova de que a diretoria não estava nada satisfeita com a inconstante campanha do time, que vinha com 13 derrotas nos últimos 20 jogos desde a rodada de Natal - incluindo aí 2 derrotas para os Warriors e 1 para Rockets, Celtics, Raptors, Thunder e Spurs.

E quem pagou o pato foram alguns dos nomes mais criticados pela fraca defesa dos Cavaliers.

Afinal, Thomas não conseguiu ser "escondido" na defesa dos Cavs como era em Boston e a falta de encaixe de Crowder mostrou que seus resultados em quadra vinham mais do esquema tático do técnico Brad Stevens do que do seu talento individual.

Já Rose e Frye nunca foram reconhecidos por sua defesa, enquanto Shumpert tem sofrido com lesões e Wade também acabou deixando muito a desejar, seja no time titular, seja vindo do banco, e decidiu voltar para South Beach.

E as movimentações mostram ainda que os Cavs estão dispostos a fazer algo não apenas para seguir na briga nesta temporada, mas tentar manter LeBron em casa no verão de 2018. O camisa 23 mais uma vez será agente livre no final da temporada e já teve seu nome especulado no Los Angeles Lakers, no Philadelphia 76ers e no Houston Rockets.

E o fato de que dos reforços chegados nessa temporada "sobrou" apenas Jeff Green, mostra que tudo isso ainda pode ser considerado fruto da saída de Kyrie Irving na última "off season" e que desde então o time ainda não se reencontrou.

O camisa 11 dos Celtics ao ser perguntado sobre tudo que aconteceu em Cleveland na última quinta-feira disse que não iria se manifestar, pois só falaria do Boston Celtics. Mas é difícil não pensar que ele deve olhar tudo isso com certa felicidade...

Revolução no Cleveland Cavaliers na data limite para trocas na NBA
"Tudo bem por aí em Ohio"? (Irving, Kyrie)

Permanecem no elenco, além de "King" James, o lesionado Kevin Love, Tristan ThompsonJR Smith, Kyle Korver, Green, José Calderón, Cedi Osman e Ante Zizic. Diga-se de passagem que Thompson e Smith mesmo após várias especulações envolvendo os seus nomes.

Chegaram ao time Jordan Clarkson e Larry Nance Jr dos Lakers, George Hill do Sacramento Kings e Rodney Hood do Utah Jazz.

E tem gente achando que os Cavs podem ter ajudado o time de LA a tentar justamente contratar LeBron ao final dessa temporada com o espaço salarial que conseguiram, mas pelo visto os cartolas de Cleveland se preocuparam mais com o agora.

Falando dos reforços, Hill é mais veterano da lista e seu contato de 37 milhões de dólares pelas 2 próximas temporada pode comprometer a folha salarial dos Cavs no próximo verão. Porém, com seu talento e experiência, ele pode dar a organização ao time que Thomas e Rose não conseguiram dar - e que, por incrível que pareça, eles tiveram com Calderón em quadra.

Vale a pena lembrar que em 2016-17 ele fez excelente temporada em Utah, com seu recorde de pontos na carreira (16.9), além de 4.2 assistências. Só que em meio à desorganização dos Kings não encontrou seu espaço em Sacramento e sua saída era dada como certa há tempos.

Já Clarkson é jovem, mas também tem um contato "caro" de 26 milhões de dólares nas próximas 2 temporadas. O armador é mais um jovem talento "queimado" pelos Lakers, assim como fizeram com D´Angelo Russell, e a expectativa é que ele possa assumir o papel de pontuador no 2° pelotão do time, tal qual ele vinha fazendo em LA.

Por fim, Hood e Nance Jr também são jovens como Clarkson e estão ainda em seus contratos de calouros. O ala-armador do Jazz está no último ano, com uma oferta qualificatória de apenas 3.4 milhões para 2018-19 e o ala-pivô anda tem 2 anos de contrato, com oferta qualificatória para 2019-2020.

Ou seja, o elenco foi bastante rejuvenescido e não há risco de perder os reforços a curto prazo.

Hood já jogou com Hill pelo Jazz e ambos tem esse entrosamento a seu favor. Já Nance trará força, principalmente defensivamente, ao garrafão do time, algo que parecia restrito a TT há tempos. E até mesmo o camisa 13 já não vinha com a intensidade de antigamente e pode se renovar com essas mexidas.

Enfim, certamente é um elenco mais jovem e mais atlético ao lado do monstro LeBron...

Resta saber como será o encaixe desse novo Cavs, pois o contestado técnico Tyronn Lue precisará "trocar o pneu com o carro em movimento".

Até porque não se sabe se será um time realmente novo ou apenas adaptado, pois os "velhos de casa" Thompson e Smith podem seguir como titulares ao lado de James, Love (quando ele voltar), apenas com a companhia de Hill.

Precisamos esperar para ver...

Mas uma coisa é certa.

"Eles têm LeBron James e isso é o que importa". (Draymond Green)

Como disse o rival Draymond Green, do Golden State Warriors, após todas essas movimentações:

"Eles têm LeBron James e isso é o que importa".

Prova disso foi a atuação do melhor jogador de sua geração no primeiro jogo após as movimentações e ainda sem os reforços:

O Rei teve um triplo duplo com 22 pontos, 12 rebotes e 19 assistências (recorde em sua carreira) na vitória por 123 a 107 diante dos Hawks.

Esse é o novo-velho Cavs... O time de LeBron James!!!

Simples assim...

#ILoveThisGame #Entre4Linhas

Curta: www.facebook.com/entrequatrolinhas 

Como funciona o All Star Game da NBA?

Saiba mais sobre o All Star Wekeend, Rising Star Challenge, Skills Challenge, Three Point Contest, Slam Dunk Contest e All Star Game

POR André C. Rocha dia
Como funciona o All Star Game da NBA?
Jordan pratica o bom e velho "trash talk" com Kobe no All Star Game de 2003 (Foto: si.com)

O All Star Game, ou Jogo das Estrelas é um evento festivo da NBA que acontece desde 1951.

O jogo envolve os melhores jogadores da liga e pode ser considerado uma ótima vitrine para quem quer conhecer “a nata” da NBA.

Claro que essa escolha dos melhores envolve critérios que muitas vezes são pessoais e por isso sempre geram polemicas e questionamentos... Até porque, entre os anos de 1974 e 2016 os titulares eram eleitos por voto popular e com isso muitas vezes a “popularidade” do jogador acabava pesando mais do que o “merecimento”.

Como funciona o All Star Game da NBA?
Magic contra Jordan no ASG de 1987 (Foto: Hit The Glass)

Porém, justamente para evitar algumas escolhas “estranhas” (por exemplo, Zaza Pachulia quase foi All Star em 2016 por causa de uma campanha de votação na Geórgia) a NBA mudou as regras de seleção dos titulares.

A partir de 2017 a escolha é composta de uma média ponderada onde 50% vem dos votos dos fãs, 25% dos próprios jogadores e 25% de jornalistas especializado indicados pela liga. Não que isso evite as polêmicas (rs), mas pelo menos evita as “distorções populistas”.

Essa votação indica os 10 titulares, 5 de cada conferência, sendo 3 jogadores de “frontcourt” (pivôs, alas-pivôs e alas) e 2 jogadores de “backcourt” (armadores e alas-armadores).

Já os 7 reservas de cada conferência são indicados pelos técnicos da liga, sendo 3 jogadores de “frontcourt”, 2 de “backcourt” e 2 livres (de qualquer posição).

Até 2017 o jogo respeitava o formato Conferência Leste x Conferência Oeste, com um recorde de 37 vitórias do Leste contra 29 do Oeste. Só que recentemente a competitividade do evento vinha sendo questionada e muitas vezes parecia que os jogadores, ao invés de buscar a vitória, estavam apenas atrás de recordes – individuais ou coletivos.

Ora, tudo bem que é mesmo um momento de festa e descontração, onde os atletas saem do ritmo alucinante da temporada regular e encontram outros atletas, além de toda a mídia e fãs.

Veja uma prova disso nessa dança de Shaq, LeBron e Dwight Howard em 2007:

No entanto, a competição deve ser inerente ao jogo de basquete e com isso a NBA propôs mudanças...

E em 2018, ao invés do duelo Leste x Oeste, a NBA terá um duelo entre 2 times formados pelos jogadores mais votados em cada conferência – chamados de capitães. Assim, se respeitou o equilíbrio entre as conferências – cada uma tem 12 representantes -, mas se buscou uma maior rivalidade com essa escolha dos times, no melhor estilo quadra de rua.

Cada capitão escolhe seus titulares de forma alternada – a 1ª escolha fica com o mais votado no geral – e depois passa à indicação dos reservas.

Resta saber se o jogo será mais “pegado” por conta disso. Mas é inegável ver algumas combinações improváveis, jogadores do mesmo time em lados opostos ou mesmo algumas rivalidades pré-existentes...

Outra mudança feita em 2018 em busca de mais competividade foi o aumento da premiação, com cada jogador do time vencedor recebendo um prêmio de 100 mil dólares, contra 25 mil para os perdedores.

Que venha mais um show pela frente!

E que o All Star Game possa continuar nos trazendo momentos épicos como esse de Magic Johnson em 1992:

Técnicos

Os comandantes de cada time no All Star Game são os técnicos com a melhor campanha em cada conferência, com a exceção de um treinador não poder ir ao jogo em anos consecutivos. Ou seja, se o mesmo time lidera uma conferência da NBA em temporadas consecutivas, automaticamente assume o técnico do time com a 2ª melhor campanha.

All Star Wekeend

O All Star Game não é um jogo isolado e sim faz parte de um evento maior, o All Star Wekeend, ou Final de Semana das Estrelas.

Essa parada no campeonato serve para a “confraternização” entre os astros, mas também poderá ser utilizada a partir de 2018 para que os atletas trocados até a data limite de negociações (“trade deadline”) façam suas mudanças – antes da antecipação da “trade deadline” para antes do All Star Wekeend há relatos de jogadores trocados durante o Jogo das Estrelas que sequer voltaram à sua casa... Ossos do ofício...

O evento começa na sexta-feira e desde 2003 começa com o Jogo das Celebridades, um evento envolvendo nomes da música, tv, cinema, outros esportes, ex-jogadores da NBA e jogadoras da WNBA.

Para os brasileiros a edição de 2017 do Jogo das Celebridades foi marcante, pois representou a “estreia” da lenda Oscar Schmidt no melhor basquete do mundo – o “mão santa” havia sido draftado pelo New Jersey Nets em 1984, mas nunca foi para a NBA para não ser impedido de jogar pela seleção brasileira, conforme regras da época.

Como funciona o All Star Game da NBA?
Oscar e Marc Cuban, dono dos Mavs, no Jogo das Celebridades de 2017 (Foto: Theo Warg-Getty Images)

Depois disso, ainda na sexta, acontece o Rising Stars Challenge (Jogo dos Novatos), um jogo que começou em 1994 e envolve os calouros e os jogadores de 2º ano. Esse duelo já teve vários formatos, mas desde 2015 temos um time formado por jogadores americanos, contra um time de jogadores do resto do mundo – nada mais atual, dentro da liga globalizada da atualidade.

O histórico recente traz 2 vitórias do Time Mundo (2015 e 2017) e uma da Time USA (2016).

Veja todos os MVP dos jogos entre “rookies” e “sophomores”:

  • 1994 – Penny Hardaway – Orlando Magic
  • 1995 – Eddie Jones – Los Angeles Lakers
  • 1996 – Damon Stoudamire – Toronto Raptors
  • 1997 – Allen Iverson – Philadelphia 76ers
  • 1998 – Zydrunas Ilgauskas – Cleveland Cavaliers
  • 1999 - lockout
  • 2000 – Elton Brand – Chicago Bulls
  • 2001 – Wally Szczerbiak – Minnesota Timberwolves
  • 2002 – Jason Richardson – Golden State Warriors
  • 2003 – Gilbert Aernas - Golden State Warriors
  • 2004 – Amar´e Stoudemire – Phoenix Suns
  • 2005 – Carmelo Anthony – Denver Nuggets
  • 2006 – Andre Iguodala Philadelphia 76ers
  • 2007 – David Lee – New York Knicks
  • 2008 – Daniel Gibson – Cleveland Cavaliers
  • 2009 – Kevin Durant – OKC Thunder
  • 2010 – Tyreke Evans (Sacramento Kings) e DeJuan Blair (San Antonio Spurs)
  • 2011 – John Wall – Washington Wizards
  • 2012 – Kyrie Irving – Cleveland Cavaliers
  • 2013 – Kenneth Faried – Denver Nuggets
  • 2014 – Andre Drummond – Detroit Pistons
  • 2015 – Andrew Wiggins – Minnestota Timberwolves
  • 2016 – Zach LaVine - Minnestota Timberwolves
  • 2017 – Jamal Murray – Denver Nuggets

Veja um momento marcante em 2014, com um "duelo" entre Dion Waiters e Tim Hardaway Jr durante o jogo da "molecada:

Passando para o sábado, a NBA privilegia algumas competições individuais, começando com o Skill Challenge, ou Desafio de Habilidades.

O evento começou em 2003 e consiste em um desafio envolvendo controle de bola, passes e arremessos. Até 2016 costumava ser disputado entre os “baixinhos” e aparentemente mais habilidosos. Porém, nas 2 últimas edições os “grandões” não apenas entraram na disputa como levaram, com Karl-Anthony Towns em 2016 e Kristaps Porzingis em 2017.

Veja toda a habilidade do letão:

E conheça os vencedores do Torneio de Habilidades:

  • 2003 – Jason Kidd – New Jersey Nets
  • 2004 – Baron Davis – New Orleans Hornets
  • 2005 – Steve Nash – Phoenix Suns
  • 2006 – Dwyane Wade – Miami Heat
  • 2007 - Dwyane Wade - Miami Heat
  • 2008 – Deron Williams – Utah Jazz
  • 2009 – Derrick Rose – Chicago Bulls
  • 2010 – Steve Nash – Phoenix Suns
  • 2011 – Stephen Curry – Golden State Warriors
  • 2012 – Tony Parker – San Antonio Spurs
  • 2013 – Damian Lillard – Portland Trail Blazers
  • 2014 – Damian Lillard (Portland Trail Blazers ) e Trey Burke (Utah Jazz) - a disputa foi em duplas em 2014
  • 2015 – Patrick Beverley – Houston Rockets
  • 2016 – Karl-Anthony Towns – Minnesota Timberwolves
  • 2017 – Kristaps Porzingis – New York Knicks

O 2º evento do sábado é o Three Point Contest, o famoso Campeonato de 3 Pontos, que consagra os maiores “gatilhos” da NBA!

O campeonato teve início em 1986 e recentemente consagrou nomes como Kyrie Irving, Stephen Curry, Klay Thompson e Eric Gordon.

Como funciona o All Star Game da NBA?
Curry venceu o torneio em 2015 com o recorde de 27 pontos na Final (Foto: cbssports)

Veja a lista de todos os campeões:

  • 1986 – Larry Bird – Boston Celtics
  • 1987 - Larry Bird – Boston Celtics
  • 1988 - Larry Bird – Boston Celtics
  • 1989 – Dale Ellis – Seatte Supersonics
  • 1990 – Craig Hodges – Chicago Bulls
  • 1991 – Craig Hodges – Chicago Bulls
  • 1992 – Craig Hodges – Chicago Bulls
  • 1993 – Mark Price – Cleveland Cavaliers
  • 1994 - Mark Price – Cleveland Cavaliers
  • 1995 – Glen Rice – Miami Heat
  • 1996 – Tim Legler – Washington Bullets
  • 1997 – Steve Kerr – Chicago Bulls
  • 1998 – Jeff Hornacek – Utah Jazz
  • 1999 – lockout
  • 2000 - Jeff Hornacek – Utah Jazz
  • 2001 – Ray Allen – Milwaukee Bucks
  • 2002 – Peja Stojakovic – Sacramento Kings
  • 2003 - Peja Stojakovic – Sacramento Kings
  • 2004 – Voshon Lenard – Denver Nuggets
  • 2005 – Quentin Richardson – Phoenix Suns
  • 2006 – Dirk Nowitzki – Dallas Mavericks
  • 2007 – Jason Kapono – Miami Heat
  • 2008 – Jason Kapono – Toronto Raptors
  • 2009 – Daequan Cook – Miami Heat
  • 2010 – Paul Pierce – Boston Celtics
  • 2011 – James Jones – Miami Heat
  • 2012 – Kevin Love – Minnesota Timberwolves
  • 2013 – Kyrie Irving – Cleveland Cavaliers
  • 2014 – Marco Belinelli – San Antonio Spurs
  • 2015 – Stephen Curry – Golden State Warriors
  • 2016 – Klay Thompson – Golden State Warriors
  • 2017 – Eric Gordon – Houston Rockets

Confira o show de Craig Hodges um jogador pouco conhecido dos Bulls, mas que acertou 19 bolas seguidas no torneio de 1991:

E fechando a 2ª noite do All Star Weekend, temos o Slam Dunk Contest, o bom e velho Campeonato de Enterradas.

A competição começou em 1984 e viveu seu auge ainda nos anos 80, com títulos de nomes como Michael Jordan e Dominique Wilkins. Já no final dos anos 90 Kobe Bryant venceu o torneio quando calouro, enquanto a partir dos anos 2000 tivemos títulos de Vince Carter, Dwight Howard e Blake Griffin.

E também cabe destacar as vitórias dos baixinhos Spud Webb (1986) e Nate Robinson (2006, 2009 e 2010).

Só que a cada ano a competição parece perder seus atrativos e acabamos vendo alguns nomes desconhecidos do público em geral, mas presentes apenas em “melhores momentos” – o melhor exemplo disso foi a participação em 2017 de Derrick Jones Jr, diretamente da G League – liga de desenvolvimento da NBA.

A exceção recente de qualidade ficou por conta os duelo entre Aaron Gordon e Zach LaVine em 2016, em um dos melhores torneios de enterrada da história.

Permanecemos sempre na esperança de ver algo inovador e empolgante nesse evento que traz toda a “mágica” da NBA em sua mais pura essência de show!

Confira todos os “dunkers” consagrados no torneio:

  • 1984 – Larry Nance – Phoenix Suns
  • 1985 – Dominique Wilkins – Atlanta Hawks
  • 1986 – Spud Webb – Atlanta Hawks
  • 1987 – Michael Jordan – Chicago Bulls
  • 1988 - Michael Jordan  – Chicago Bulls
  • 1989 – Kenny Walker – New York Knicks
  • 1990 – Dominique Wilkins – Atlanta Hawks
  • 1991 – Dee Brown – Boston Celtics
  • 1992 – Cedric Ceballos – Phoenix Suns
  • 1993 – Harold Miner – Miami Heat
  • 1994 – Isaiah Rider – Minnesota Timberwolves
  • 1995 – Harold Miner – Miami Heat
  • 1996 – Brent Barry – Los Angeles Clippers
  • 1997 – Kobe Bryant – Los Angeles Lakers
  • 1998 – não aconteceu
  • 1999 – lockout
  • 2000 – Vince Carter – Toronto Raptors
  • 2001 – Desmond Mason – Seatte Supersonics
  • 2002 – Jason Richardson – Golden State Warriors
  • 2003 - Jason Richardson – Golden State Warriors
  • 2004 – Fred Jones – Indiana Pacers
  • 2005 – Josh Smith – Atlanta Hawks
  • 2006 – Nate Robinson – New York Knicks
  • 2007 – Gerald Green – Boston Celtics
  • 2008 – Dwight Howard – Orlando Magic
  • 2009 – Nate Robinson – New York Knicks
  • 2010 – Nate Robinson – New York Knicks
  • 2011 – Blake Griffin – Los Angeles Clippers
  • 2012 – Jeremy Evans – Utah Jazz
  • 2013 – Terrence Ross – Toronto Raptors
  • 2014 – John Wall – Washington Wizards
  • 2015 – Zach LaVine – Minnesota Timberwolves
  • 2016 – Zach LaVine – Minnesota Timberwolves
  • 2017 – Glenn Robinson III – Indiana Pacers

Veja as melhores enterradas de todos os torneios entre 1984 e 2016:

Além do que já citamos, já houveram outros eventos, como um desafio de arremessos com um jogador atual, um ex-jogador e uma jogadora da NBA, mas atualmente temos apenas os 3 eventos já citados.

E a “cereja” do bolo é realmente o All Star Game no domingo.

Como funciona o All Star Game da NBA?
Shaq e Kobe dividiram o Prêmio de MVP em 2009 (Foto: New York Daily News)

Confira o histórico do jogo, com o placar e o MVP desde a sua criação:

Ano   -        Placar              -                 Cidade          -                MVP

1951     East 111, West 94        Boston, Massachusetts    Ed Macauley, Boston Celtics

1952     East 108, West 91        Boston, Massachusetts    Paul Arizin, Philadelphia Warriors

1953     West 79, East 75          Fort Wayne, Indiana        George Mikan, Minneapolis Lakers

1954     East 98, West 93 (OT) New York City, New York   Bob Cousy, Boston Celtics

1955     East 100, West 91        New York City, New York  Bill Sharman, Boston Celtics

1956     West 108, East 94        Rochester, New York        Bob Pettit, St. Louis Hawks

1957     East 109, West 97        Boston, Massachusetts     Bob Cousy, Boston Celtics

1958     East 130, West 118      St. Louis, Missouri            Bob Pettit, St. Louis Hawks

1959     West 124, East 108      Detroit, Michigan             Elgin Baylor, Minneapolis Lakers e Bob Pettit, St. Louis Hawks

1960     East 125, West 115      Philadelphia, Pennsylvania Wilt Chamberlain, Philadelphia Warriors

1961     West 153, East 131      Syracuse, New York          Oscar Robertson, Cincinnati Royals

1962     West 150, East 130      St. Louis, Missouri            Bob Pettit, St. Louis Hawks

1963     East 115, West 108      Los Angeles, California      Bill Russell, Boston Celtics

1964     East 111, West 107      Boston, Massachusetts      Oscar Robertson, Cincinnati Royals

1965     East 124, West 123      St. Louis, Missouri            Jerry Lucas, Cincinnati Royals

1966     East 137, West 94        Cincinnati, Ohio               Adrian Smith, Cincinnati Royals

1967     West 135, East 120      Daly City, California          Rick Barry, San Francisco Warriors

1968     East 144, West 124      New York City, New York   Hal Greer, Philadelphia 76ers

1969     East 123, West 112      Baltimore, Maryland         Oscar Robertson, Cincinnati Royals

1970     East 142, West 135      Philadelphia, Pennsylvania  Willis Reed, New York Knicks

1971     West 108, East 107      San Diego, California         Lenny Wilkens, Seattle SuperSonics

1972     West 112, East 110      Inglewood, California         Jerry West, Los Angeles Lakers

1973     East 104, West 84        Chicago, Illinois                 Dave Cowens, Boston Celtics

1974     West 134, East 123      Seattle, Washington           Bob Lanier, Detroit Pistons

1975     East 108, West 102      Phoenix, Arizona                Walt Frazier, New York Knicks

1976     East 123, West 109      Philadelphia, Pennsylvania  Dave Bing, Washington Bullets

1977     West 125, East 124      Milwaukee, Wisconsin        Julius Erving, Philadelphia 76ers

1978     East 133, West 125      Atlanta, Georgia                Randy Smith, Buffalo Braves

1979     West 134, East 129      Pontiac, Michigan               David Thompson, Denver Nuggets

1980     East 144, West 136 (OT) Landover, Maryland         George Gervin, San Antonio Spurs

1981     East 123, West 120       Richfield, Ohio                  Nate Archibald, Boston Celtics

1982     East 120, West 118       East Rutherford, New Jersey Larry Bird, Boston Celtics

1983     East 132, West 123       Inglewood, California         Julius Erving, Philadelphia 76ers

1984     East 154, West 145 (OT) Denver, Colorado             Isiah Thomas, Detroit Pistons

1985     West 140, East 129       Indianapolis, Indiana         Ralph Sampson, Houston Rockets

1986     East 139, West 132       Dallas, Texas                     Isiah Thomas, Detroit Pistons

1987     West 154, East 149 (OT) Seattle, Washington         Tom Chambers, Seattle SuperSonics

1988     East 138, West 133       Chicago, Illinois                 Michael Jordan, Chicago Bulls

1989     West 143, East 134       Houston, Texas                  Karl Malone, Utah Jazz

1990     East 130, West 113       Miami, Florida                    Magic Johnson, Los Angeles Lakers

1991     East 116, West 114       Charlotte, North Carolina    Charles Barkley, Philadelphia 76ers

1992     West 153, East 113       Orlando, Florida                 Magic Johnson, Los Angeles Lakers

1993     West 135, East 132 (OT) Salt Lake City, Utah          Karl Malone, Utah Jazz e John Stockton, Utah Jazz

1994      East 127, West 118      Minneapolis, Minnesota       Scottie Pippen, Chicago Bulls

1995      West 139, East 112      Phoenix, Arizona                Mitch Richmond, Sacramento Kings

1996      East 129, West 118      San Antonio, Texas            Michael Jordan, Chicago Bulls

1997      East 132, West 120      Cleveland, Ohio                 Glen Rice, Charlotte Hornets

1998      East 135, West 114      New York City, New York     Michael Jordan, Chicago Bulls

1999      lockout

2000     West 137, East 126       Oakland, California             Tim Duncan, San Antonio Spurs e Shaquille O'Neal, Los Angeles Lakers

2001     East 111, West 110       Washington, D.C.               Allen Iverson, Philadelphia 76ers

2002     West 135, East 120       Philadelphia, Pennsylvania  Kobe Bryant, Los Angeles Lakers

2003     West 155, East 145 (2 OT) Atlanta, Georgia            Kevin Garnett, Minnesota Timberwolves

2004     West 136, East 132        Los Angeles, California      Shaquille O'Neal, Los Angeles Lakers

2005     East 125, West 115        Denver, Colorado              Allen Iverson, Philadelphia 76ers

2006     East 122, West 120        Houston, Texas                 LeBron James, Cleveland Cavaliers

2007     West 153, East 132        Las Vegas, Nevada            Kobe Bryant , Los Angeles Lakers

2008     East 134, West 128        New Orleans, Louisiana     LeBron James, Cleveland Cavaliers

2009     West 146, East 119        Phoenix, Arizona               Kobe Bryant, Los Angeles Lakers e Shaquille O'Neal, Phoenix Suns

2010     East 141, West 139       Arlington, Texas                 Dwyane Wade, Miami Heat

2011     West 148, East 143       Los Angeles, California        Kobe Bryant, Los Angeles Lakers

2012     West 152, East 149       Orlando, Florida                  Kevin Durant, OKC Thunder

2013     West 143, East 138       Houston, Texas                   Chris Paul, Los Angeles Clippers

2014     East 163, West 155       New Orleans, Louisiana       Kyrie Irving, Cleveland Cavaliers

2015     West 163, East 158       New York City, New York     Russell Westbrook, OKC Thunder

2016     West 196, East 173       Toronto, Ontario                Russell Westbrook, OKC Thunder

2017     West 192, East 182       New Orleans, Louisiana       Anthony Davis, New Orleans Pelicans

2018     Team LeBron vs. Team Stephen    Los Angeles, California

2019                                                                 Charlotte, North Carolina           

2020                                                                 Chicago, Illinois

2021                                                                 Indianapolis, Indiana

* East – conferência Leste

* West – conferência Oeste

Recordes

Individuais

Mais Prêmios de MVP

  • Bob Pettit - 4 (1956, 1958, 1959, 1962)
  • Kobe Bryant - 4 (2002, 2007, 2009, 2011)
Como funciona o All Star Game da NBA?
Bob Pettit recebe um dos seus troféus de MVP do ASG (Foto: NBA-Getty Images)

Mais Prêmios de MVP consecutivos

  • Bob Pettit - 2 (1958, 1959)
  • Russell Westbrook – 2 (2015, 2016)

Mais seleções para o jogo (incluindo anos em que foi indicado, mas ficou fora por lesão)

  • Kareem Abdul-Jabbar – 19

Mais seleções consecutivas

  • Kobe Bryant – 17
Como funciona o All Star Game da NBA?
LeBron chama Kobe para o 1 x1 no último ASG do craque dos Lakers (Foto: fox sports)

Mais jogos disputados

  • Kareem Abdul-Jabbar – 18

Mais jogos como titular

  • Kobe Bryant – 15

Mais jogos consecutivos como titular

  • LeBron James – 14

Melhor média de pontos (mínimo de 3 jogos)

  • Anthony Davis – 28.7

Mais pontos totais

  • LeBron James – 314

Mais pontos em um jogo

  • Anthony Davis – 52 (2017)

Veja o show do "Monocelha" em 2017:

Mais pontos em um tempo

  • Anthony Davis – 30 (2017)

Mais pontos em um quarto

  • Anthony Davis – 20 (2017)
  • Glen Rice – 20 (1997)

Mais rebotes totais

  • Wilt Chamberlain – 197

Melhor média de rebotes

  • Bob Pettit – 16.2

Mais rebotes em um jogo

  • Bob Pettit – 27 (1962)

Mais rebotes em um tempo

  • Bob Pettit – 16 (1962)
  • Wilt Chamberlain – 16 (1960)

Mais rebotes em um quarto

  • Bob Pettit – 10 (1962)

Mais assistências totais

  • Magic Johnson – 127

Melhor média de assistências

  • Chris Paul – 13.3

Mais assistências em um jogo

  • Magic Johnson – 22 (1984)

Mais assistências em um tempo

  • Magic Johnson – 13 (1984)

Mais assistências em um quarto

  • John Stockton – 9 (1989)

Melhor percentual de arremessos

  • Brandon Roy – 83.3%

Mais arremessos convertidos totais

  • LeBron James – 129
Como funciona o All Star Game da NBA?
LeBron comemora após enterrada no ASG de 2016 (Foto: NBA.com)

Mais arremessos convertidos em um jogo

  • Anthony Davis – 26 (2017)

Mais arremessos convertidos em um tempo

  • Anthony Davis – 15 (2017)

Mais arremessos convertidos em um quarto

  • Anthony Davis – 10 (2017)

Melhor percentual de lances livres

  • Archie Clark – 100%
  • Gary Payton – 100%
  • Clyde Drexler – 100%

Mais lances livres convertidos totais

  • Elgin Baylor – 78

Mais lances livres convertidos em um jogo

  • Elgin Baylor – 12 (1962)
  • Oscar Roberson – 12 (1965)

Mais lances livres convertidos em um tempo

  • Zelmo Beaty – 10 (1966)

Mais arremessos convertidos em um quarto

  • Zelmo Beaty – 9 (1966)
  • Julius Erving – 9 (1978)

Melhor percentual em bolas de 3

  • Glen Rice – 60%

Mais bolas de 3 convertidas totais

  • LeBron James – 31

Mais bolas de 3 convertidas em um jogo

  • Paul George – 9 (2016)

Mais bolas de 3 convertidas em um tempo

  • Russell Westbrook – 7 (2016)
Como funciona o All Star Game da NBA?
Westbrook foi o MVP do ASG de 2016 (Foto: el pais.com)

Mais roubos de bola totais

  • Kobe Bryant – 38

Melhor média de roubos de bola

  • Rick Barry – 3.2

Mais roubos de bola em um jogo

  • Rick Barry – 8 (1975)

Mais roubos de bola em um tempo

  • Larry Bird – 5 (1986)

Mais roubos de bola em um quarto

  • Larry Bird – 4 (1986)
  • Fred Brown – 4 (1976)
  • Isiah Thomas – 4 (1989)

Mais tocos totais

  • Kareem Abdul-Jabbar - 31
Como funciona o All Star Game da NBA?
Kareem marca Pat Ewing no ASG de 1989 (Foto: sportige-Getty Images)

Melhor média de tocos

  • Alonzo Mourning – 2.0

Mais tocos em um jogo

  • Kareem Abdul-Jabbar – 6 (1980)

Mais tocos em um tempo

  • Kareem Abdul-Jabbar – 4 (1980)
  • Michael Jordan – 4 (1988)
  • Hakeem Olajuwon – 4 (1994)

Mais tocos em um quarto

  • Kareem Abdul-Jabbar – 4 (1980)

Triplos duplos

Michael Jordan – 14 pontos, 11 rebotes, 11 assistências em 26 min (1997)

LeBron James – 29 pontos, 12 rebotes, 10 assistências em 32 min (2011)

Dwyane Wade – 24 pontos, 10 rebotes, 10 assistências em 33 min (2012)

Kevin Durant – 21 pontos, 10 rebotes, 10 assistências em 27 min (2017)

Times

Mais pontos de uma equipe

  • 196 – Oeste (2016)

Mais pontos combinados

  • 374 (2017)

Mais pontos em um tempo de uma equipe

  • 104 – Oeste (2016)

Mais pontos em um tempo combinados

  • 189 (2017)

Mais pontos em um quarto de uma equipe

  • 53 – Oeste (2016)
  • 53 – Leste (2017)

Mais pontos em um quarto combinados

  • 101 (2017)

Maior margem de uma vitória

  • 40 (153 x 113) – Oeste (1992)

Melhor % de arremessos

  • 65.3% - Oeste (1992)

Mais bolas de 3 convertidas

  • 31 – Oeste (2016)

Mais rebotes de uma equipe

  • 83 – Leste (1966)

Mais assistências de uma equipe

  • 60 – Oeste (2017)

Mais roubos de bola de uma equipe

  • 24 – Leste (1989)

Mais tocos de uma equipe

  • 16 – Oeste (1980 – OT)
  • 12 – Oeste (1994)

All Star Weekend

Mais títulos do Skill Challenge

  • Dwyane Wade – 2 (2006-07)
  • Steve Nash – 2 (2005 e 2010)
  • Damian Lillatd – 2 (2013-14)
Como funciona o All Star Game da NBA?
O baixinho Nate Robinson vira o "KryptoNate" para vencer o "Superman" Howard em 2009 (Foto: Houston Chronicle)

Mais títulos do campeonato de enterradas

  • Nate Robinson – 3 (2006, 2009-10)

Mais títulos do campeonato de bolas de 3

  • Larry Bird – 3 (1986-87-88)
  • Craig Hodges – 3 (1990-91-92)
Como funciona o All Star Game da NBA?
Larry Bird venceu o campeonato de 3 pontos em 3 anos consecutivos (Foto: insidehoops.com)

Recordes do Jogos dos Novatos:

  • Pontos – Kevin Durant – 46 (2009)
  • Rebotes – Andre Drummond – 25 (2014)
  • Assistências – John Wall – 22 (2011)
  • Roubos – Chris Paul – 9 (2007)
  • Tocos – Steven Adams – 4 (2014)
  • Bolas de 3 convertidas – Daniel Gibson – 11 (2008)
  • % de arremessos – David Lee – 100% (14-14) (2007)

Confira KD brilhando quando ainda era um jovem em seu 2º ano na liga:

#ILoveThisGame #Entre4Linhas

Curta: www.facebook.com/entrequatrolinhas 

Os grandes "esnobados" do All Star Game da NBA em 2018

Com Paul George definido como substituto de DeMarcus Cousins, veja os grandes nomes da atual temporada da NBA que ficaram de fora do All Star Game em 2018

POR André C. Rocha dia
Os grandes
Lou Williams encara a marcação de Chris Paul no polêmico retorno de CP3 a LA (Foto: Harry How-Getty Images)

A NBA é uma liga de estrelas e o All Star Game só tem 24 vagas...

Ou seja, a polêmica sempre estará posta após a divulgação dos escolhidos por fãs, jogadores, jornalistas (para os titulares) e técnicos (para os reservas).

Prova viva disso é Damian Lillard - dessa vez escolhido entre os suplentes - que passou as 2 últimas temporadas dizendo o quanto era injustiçado por fica "fora da festa".

Porém, esse ano alguns nomes "de peso" ficaram de fora - talvez devido à presença de 4 estreantes (Joel EmbiidKristaps PorzingisKarl-Anthony Towns e Bradley Beal) - e aí os questionamentos começaram a "pipocar".

Vamos falar dos principais exemplos, após a indicação de Paul George para a vaga do lesionado DeMarcus Cousins:

Chris Paul - PG - Houston Rockets

CP3 tem médias na temporada de 19.4 pontos, 5.7 rebotes, 8.6 assistências, 1.8 roubos de bola, 46% nos arremessos, 40.3% nas bolas de 3 e 92.1% nos lances livres, em 32.1 min em 31 partidas.

Porém, mais incrível do que suas médias tem sido o seu desempenho com a equipe dos Rockets.

Afinal, com Paul em quadra o time texano tem uma campanha de 25-6, sendo que quando o armador divide a quadra com James Harden e Clint Capela o Houston teve apenas 1 derrota.

Confira a exibição de gala do camisa 3 diante dos Warriors em 20 de janeiro:

Ou seja, apesar da pequena quantidade de jogos disputados até aqui, é inegável que Paul merecia estar em seu 10º Jogo das Estrelas.

Ben Simmons - PG - Philadelphia 76ers

Simmons despontou desde o começo da temporada como o grande nome na corrida pelo Prêmio de Calouro do Ano e foi eleito o Calouro do Mês de Novembro do Leste.

É o 6º em assistências (7.4) e o 9º (1.8) em roubos de bola em toda a liga, além de ser o 2º entre os novatos em pontos (16.6) e o líder em rebotes (7.9).

Além disso, mudou a cara do time dos Sixers com sua dominância e maturidade, apesar de ter apenas 21 anos e não seria nem um espanto se o camisa 25 já fosse para o ASG em seu 1º ano na liga. 

Lou Williams - SG - Los Angeles Clippers

Lou tem sido uma das grandes surpresas da temporada e vem com suas melhores médias na carreira em pontos (23.2), assistências (5), aproveitamento nas bolas de 3 (41.2) e minutos (31.9).

Com isso já foi 2 vezes eleito o Melhor Jogador da Semana na forte Conferência Oeste e acabou tendo uma campanha por uma vaga de All Star.

Aos 31 anos o Melhor 6º Homem da temporada 2014-15 quase chegou ao Jogo das Estrelas.

Andre Drummond - C - Detroit Pistons

O pivô dos Pistons foi All Star em 2016.

Porém nessa temporada vem tendo sua melhor temporada da carreira. São 14.7 pontos (2ª maior marca na carreira), 15.1 rebotes (recorde na carreira), 3.8 assistências (recorde na carreira e 2.7 a mais que na temporada passada LeBron), 1.4 roubos (recorde na carreira), 1.4 tocos, 54.4% nos arremessos e 62.5% nos lances livres (recorde na carreira e 23,9% a mais que na última temporada).

Ou seja, a evolução de Drummond é evidente e já quem o cogite até para o Prêmio de Jogador que Mais Evoluiu.

Drummond deu um show essa semana diante do Jazz, talvez tentando mostrar que foi um erro não incluí-lo como All Star:

Atualizado

Drummond acabou sendo escolhido para substituir o lesionado John Wall no Time LeBron James no All Star Game de 2018.

Outros nomes

E além desse nomes, podemos citar outros como:

  • Goran Dragic (2 vezes melhor jogador da semana no Leste e que conduz o Heat ao 4º lugar da Conferência);
  • Kemba Walker (médias de 22.1 pontos e 5.8 assistências - recorde na carreira);
  • Blake Griffin (médias de 22.6 pontos, 7.9 rebotes e 5.4 assistências, assumindo o papel de grande nome dos Clippers após a saída de CP3);
  • Devin Booker (5º mais votado entre os jogadores para o backcourt do Oeste e com média de 24.7 pontos);
  • Donovan Mitchell (média de 19.2 pontos e calouro no mês de dezembro no Oeste);
  • Dwyane Wade (5º na votação dos fãs para o backcourt do Leste); e,
  • Manu Ginobili (2º na votação dos fãs no backcourt do Oeste).

O All Star Game será no dia 18/02, no Staples Center, em Los Angeles, CA.

Team LeBron x Team Curry: Como devem ficar os titulares do All Star Game

LeBron James e Stephen Curry serão os capitães dos 2 times do All Star Game da NBA em 2018. Veja opinião sobre quem eles devem escolher entre os titulares

POR André C. Rocha dia
Team LeBron x Team Curry: Como devem ficar os titulares do All Star Game
Curry e LeBron se encontraram nas últimas 3 Finais da NBA e agora precisarão escolher os times do ASG (Foto: sbnation)

LeBron James e Stephen Curry são os 2 maiores nomes da NBA desde a temporada 2014-15.

Desde então ambos disputaram as 3 Finais da NBA, Curry foi 2 vezes o MVP da temporada regular, LeBron foi o MVP das Finais em 2016 e ambos tem sido os jogadores que mais vendem camisas e que tem sido os mais votados pelos fãs para o All Star Game em suas respectivas conferências.

E isso aconteceu de novo agora em 2018!

Com isso, devido ao novo formato do Jogo das Estrelas - que não será mais disputado entre os times das Conferências Leste e Oeste, mas sim por times selecionados independente do time que defendem - Steph e "King" James serão os capitães dos times e os responsáveis pela seleção das equipes para o jogo.

Os outros titulares escolhidos pelos fãs, jogadores e jornalistas foram: Kevin Durant, James HardenAnthony DavisDeMarcus Cousins no Oeste; e Giannis Antetokounmpo, Joel EmbiidDeMar DeRozanKyrie Irving no Leste.

Considerando esse histórico entre ambos, seus relacionamentos com os outros titulares e algumas de suas declarações nos últimos dias, simulamos as formações titulares do time Curry e do time LeBron.

Porém antes de passar às escolhas, vamos falar de James e Curry.

Confira:

LeBron James

O astro do Cleveland Cavaliers chega à sua 14a participação seguida como titular do All Star Game - um recorde na história da NBA.

James tem médias de 24.1 pontos, 6 rebotes, 5.8 assistências e 1.3 roubos no Jogo das Estrelas, com 2 prêmios de MVP do ASG no currículo (2006 e 2008).

Com 314 pontos no total, "King" James é o recordista em pontos no All Star Game.

Stephen Curry

Steph vai para seu 5° All Star e pela 3a vez foi o líder de votos no Oeste.

Suas médias no Jogo das Estrelas são de 18.5 pontos, 5.2 rebotes, 7 assistências, 1.7 roubos de bola e 4 bolas de 3 convertidas.

Primeira escolha de LeBron: Kevin Durant

Time: LeBron James e Kevin Durant

LeBron é um cara super competitivo e recentemente disse que vai jogar o All Star Game para ganhar e que tentará fazer com que o novo formato - pensado para trazer um pouco mais de rivalidade e emoção ao jogo - dê certo.

Com isso, sua primeira escolha - James fará a primeira indicação por ter recebido mais votos que Curry - deve ser do melhor jogador disponível.

E o histórico recente aponta Kevin Durant como o melhor nome nesse "draft".

Afinal, KD foi o MVP da NBA em 2014 e MVP das Finais e campeão em 2017. E nessa temporada vem com médias de 26.2 pontos, 6.9 rebotes, 5.4 assistências e 2.1 tocos, arremessando para 51.2% no geral, 41.1% para 3 e 88.7% nos lances livres.

Vale a pela relembrar o duelo de ambos nas últimas Finais:

E se isso não bastasse, escolher Durant evita que LeBron encare mais uma vez a dupla Curry-Durant, seus algozes nas últimas finais e nos 2 duelos entre os Cavs e o Golden State Warriors.

Em sua 9ª participação no ASG, o camisa 35 tem médias de 25 pontos e 6.1 rebotes em Jogos das Estrelas.

Primeira escolha de Curry: Giannis Antetokounmpo

Time: Stephen Curry e Giannis Antetokounmpo

Curry disse depois que soube que seria o capitão que escolheria o craque do Milwaukee Bucks.

E isso não apenas pelo talento do grego, mas para evitar um novo lance como o que ocorreu no jogo do ano passado, quando Steph se deitou no chão para não levar a 2ª enterrada de Antetokounmpo na cabeça.

Veja o que houve entre os 2 em 2017:

Giannis vai para sua 2ª participação no Jogo das Estrelas e em 2017 teve 30 pontos, 6 rebotes e 3 roubos de bola. 

Segunda escolha de Curry: James Harden

Time: Stephen Curry, Giannis Antetokounmpo e James Harden

Como James abriu a primeira rodada, Steph abre a segunda. E seguindo a lógica de escolher o melhor jogador disponível, não dá pra deixar o Barba na abertura da 2ª rodada.

Afinal, Harden vem com médias de 31.4 pontos, 4.8 rebotes, 8.9 assistências e 1.8 roubos de bola em 2017-18, estando forte na briga pelo Prêmio de MVP.

Será sua 6ª participação no Jogo das Estrelas, com médias de 17.4 pontos, 5.2 rebotes e 6.2 assistências.

Segunda escolha de LeBron James: Anthony Davis

Time: LeBron James, Kevin Durant e Anthony Davis

Davis foi o MVP do último All Star Game e quebrou os recordes de pontos em um quarto (20), em um tempo (30) e em um jogo (52).

Além disso, sua média de 28.7 pontos por jogo em suas 3 participações anteriores o torna o maior cestinha em média de pontos da história. Davis tem ainda médias de 5.6 rebotes e 1.6 roubos de bola.

É ou não é o suficiente para fazer dele a 2ª escolha de LeBron? 

Terceira escolha de LeBron James: DeMarcus Cousins

Time: LeBron James, Kevin Durant, Anthony Davis e DeMarcus Cousins

Cousins vem com médias na temporada de 25.6 pontos, 12.9 rebotes, 1.6 roubos e 1.5 tocos.

Soma-se a isso seu entrosamento com Davis e dá pra entender porque Boogie seria a 3ª escolha de James.

Em 3 SG anteriores, Cousins tem médias de 9.3 pontos e 3.6 assistências.  

Terceira escolha de Stephen Curry: Joel Embiid

Time: Stephen Curry, Giannis Antetokounmpo, James Harden e Joel Embiid

Se James deve selecionar as "Torres Gêmeas" Davis e Cousins, caberá a Curry contra-atacar com o carismático Joel Embiid.

O camaronês, em sua 2ª temporada na liga, vai para seu 1° All Star Game - já como titular - apoiado em médias de 23.8 pontos, 11 rebotes, 3.4 assistências e 1.9 tocos em 34 jogos - mais do que os 31 que teve no total como calouro.

Seria a hora, portanto, de o pivôzão ir novamente atrás da cantora Rihanna - que disse em 2014 para ele procurá-la apenas quando ele fosse um All Star?

Parece que não. E Embiid em uma entrevista após ser escolhido não apenas como um All Star, mas como titular disse: "Ela me negou naquela época, então por que voltar a insistir nela? Tenho que passar isso e seguir em frente para a próxima".

Veja o vídeo (em inglês) aqui.

#TrustTheProcess 

Quarta escolha de Stephen Curry: Kyrie Irving

Time: Stephen Curry, Giannis Antetokounmpo, James Harden, Joel Embiid e Kyrie Irving

E para fechar seu time titular, Curry poderia escolher um jogador da posição 2 (DeRozan) ou dividir a armação com Kyrie.

E como abrir mão de proporcionar o duelo James x Irving no All Star Game?

Então a escolha de Steph é o armador dos Celtics.

Agora como estrela solitária, Kyrie vem com médias na temporada de 24.5 pontos, 5 assistências e 1.2 roubos de bola.

Em sua 5ª participação, Irving tem médias de 19.7 pontos, 5.2 rebotes e 9.2 assistências em ASG.

Quarta escolha de LeBron James: DeMar DeRozan

Time: LeBron James, Kevin Durant, Anthony Davis, DeMarcus Cousins e DeMar DeRozan

DeMar DeRozan, dos Raptors, ficaria assim com a última posição do time de LeBron James.

Seria essa uma motivação para entrar com mais "vontade", no melhor estilo Russell Westbrook de provar que deveria ter sido escolhido antes?

Vamos aguardar para saber...

O craque do time canadense tem médias na temporada de 25 pontos, 4.2 rebotes e 5 assistências e em 3 Jogos das Estrelas tem médias de 14 pontos por jogo, 3 rebotes e 3.3 assistências.  

Reservas

Os reservas do All Star Game foram conhecidos nesta terça-feira (23/01), sendo selecionado pelos técnicos da liga.

Seguindo a ordem acima, a primeira escolha entre os suplentes volta para LeBron, que não terá nenhum armador "de ofício" entre os titulares.

Seria o "espaço" perfeito para escolher Westbrook para mais uma vez atuar ao lado de Durant?

E como devem ser seguir as escolhas?

Onde será que ficará Kristaps Porzingis, que foi indicado como titular pelos jogadores, mas ficou fora nas listas dos fãs e dos jornalistas?

E o eterno "reclamão" Damian Lillard, que está de volta ao evento, mas que mais uma vez se disse frustrado por ser preterido nas votações do ASG? Vai pro jogo em que time? Quando ele será escolhido?

Será que LeBron escolherá Kevin Love após as últimas polêmicas em Cleveland?

Draymond Green e Klay Thompson? Vão para o Team Steph?

Todas essas respostas serão dadas no dia 25/01, quando conheceremos os times selecionados.

Porém, diferente da expectativa inicial, não veremos as escolhas e a ordem de seleção - a NBA quis evitar a polêmica que poderia ocorrer entre os jogadores que serão os "últimos escolhidos".

Mas nada garante que, ainda que não haja a divulgação oficial, essa informação não circule entre os jogadores...

Agenda

O Final de Semana das Estrelas ocorrerá entre os dias 16 e 18/02.

Na sexta-feira acontecerão o Jogo das Celebridades e o Jogo das Jovens Estrelas.

No sábado teremos os campeonatos de Habilidades, Arremessos de 3 pontos e Enterradas.

E no domingo o 67º NBA All Star Game!!!

Curta: https://www.facebook.com/EntreQuatroLinhas/ 

#ILoveThisGame #Entre4Linhas

©2015 - 2018 Sobe a Bola - Todos os direitos reservados.