Sobre o Autor:

André C. Rocha

André C. Rocha

Apaixonado pela NBA desde que viu o Dream Team em 92, torcedor do Bulls e defensor da tese de que "73 não vale nada sem um título". Autor dos perfis Entrequatrolinhas no FB (facebook.com/entrequatrolinhas) e TWT (twitter.com/andre_c_rocha).

Grant Hill, Jason Kidd, Ray Allen e Steve Nash são os destaque da classe de 2018 do Hall da Fama

Relembre os motivos que levaram Grant Hill, Jason Kidd, Ray Allen e Steve Nash a entrarem no Hall da Fama na classe de 2018

POR André C. Rocha dia
Grant Hill, Jason Kidd, Ray Allen e Steve Nash são os destaque da classe de 2018 do Hall da Fama
Hill, Kidd, Allen e Nash entraram na classe de 2018 do Hall da Fama (Foto: twitter NBA)

Na última sexta-feira (07/09/18) aconteceu a cerimônia de entrada no Naismith Hall of Fame em sua classe de 2018.

E entre os principais destaques temos 4 nomes de uma história recente da NBAJason KiddSteve NashRay Allen e Grant Hill, todos eles com carreiras a partir da década de 90 no melhor basquete do mundo.

Vale a pena relembrar os motivos que levaram esse quarteto ao Hall da Fama.

Kidd e Nash são respectivamente o 2º e o 3º na lista de jogadores com mais assistências em todos os tempos.

Além das 12.091 assistências na carreira, Kidd tem ainda no currículo 10 seleções para o All Star Game, 5 escolhas para o All NBA 1st Team, foi campeão pelo Dallas Mavericks em 2011 e Calouro do Ano em 95. Jason é também o 2º em roubos de bola na história da liga (2.684), atrás também de John Stockton, e o 3º em triplos duplos com 107 - Kidd é o líder histórico em TD de 3 franquias da liga: Mavericks, Suns e Nets.

Por sua vez, Nash foi 8 vezes All Star em suas 19 temporadas na liga, tendo sido o MVP da NBApor 2 vezes (2005 e 2006). O canadense tem ainda o recorde histórico em % de lances livres (90.4%), foi 5 vezes líder em assistências (10.335 assistências no total) e terminou 4 temporadas no clube dos 50-40-90 (mínimo de 50% nos arremessos, 40% nas bolas de 3 e 90% nos lances livres).

Mais um recordista da lista é Ray Allen, que detém o recorde de mais bolas de 3 convertidas na história com 2.973. O 10 vezes All Star foi campeão da NBA em 2008 pelo Boston Celtics e em sua última temporada na liga em 2013 pelo Miami Heat, tendo sido decisivo no Jogo 6 daquelas finais.

Já Grant Hill conseguiu 7 seleções para o All Star Game em 19 anos de carreira, tendo sido o Calouro do Ano em 1995 (ao lado de Kidd) e eleito para o Time Ideal da liga em 1997. Antes de chegar à NBA, o versátil ala venceu 2 títulos da NCAA por Duke (1991 e 1992).

Particularmente essa classe é marcante pra mim, pois são 4 jogadores que vi começando na NBA...

E agora os 4 estão no Hall da Fama!

Ou seja... Estou ficando velho... (rs)

Parabéns aos 4 craques!!!

#Entre4Linhas

#ILoveThisGame

Curta: EntreQuatroLinhas

O que esperar de Carmelo Anthony no Houston Rockets?

Como será o encaixe de Carmelo Anthony no Houston Rockets, o time dono da melhor campanha da NBA na temporada 2017-18 da NBA?

POR André C. Rocha dia
O que esperar de Carmelo Anthony no Houston Rockets?
Carmelo assinou com os Rockets por 1 ano e 2.4 milhões (Foto: twitter Rockets)

De cestinha do campeonato em 2013, com média de 28.7 pontos por jogo, a um jogador que muitos acreditam que vai “atrapalhar” o time do Houston RocketsCarmelo Anthony é um jogador que atrai sentimentos contraditórios sobre si. O problema é que, além disso, recentemente ele tem atraído muito mais críticas do que elogios.

Idolatrado por muitos anos no New York Knicks, Melo teve muita polêmica envolvendo sua saída da “big apple” até ser trocado para o Oklahoma City Thunder no verão de 2017.

Campeão universitário em 2003 e no Time Ideal de Calouros de 2004, Anthony protagonizou no começo de sua carreira uma rivalidade direta com LeBron James. Foram 7 temporadas e meia defendendo o Denver Nuggets até ser envolvido em uma troca gigante que o levou para o Knicks em 2011.

Carmelo e Nene começaram a carreira juntos em Denver (Foto: slamonline)
Carmelo e Nene começaram a carreira juntos em Denver (Foto: slamonline)

Pelos Nuggets, Melo chegou às Finais do Oeste em 2009. Porém, em NY, após 3 anos conseguindo no máximo disputar as semifinais do Leste em 2013, Anthony teve um período de 4 temporadas longe da pós-temporada antes de deixar o time dos Knicks.

E foi justamente essa falta de resultados positivos que contribuiu para o desgaste do 10 vezes All Star (8 delas consecutivas, entre 2010 e 2017) em Nova Iorque.

Em suas 8 temporadas pelos Nuggets suas médias foram de 24.8 pontos, 6.3 rebotes, 45.9% nos arremessos, 31.1% nas bolas de 3 e 80.3% nos lances livres, em 36.4 minutos, nas 564 partidas disputadas.

Já nas 7 temporadas em NY suas médias foram de 24.7 pontos, 7 rebotes, 44.3% no geral, 36.9% para 3 e 83% nos lances livres, em 36 minutos, nos 412 jogos disputados.

Só que na temporada 2017-18 Carmelo se juntou a Russell WestbrookPaul George em Oklahoma e a expectativa era de que o trio brilhasse pelo Thunder.

O
O "big three" de OKC que não deu muito certo (Foto: USA Today Sports)

Westbrook terminou a 2ª temporada consecutiva com média de triplo duplo, liderou a NBA em assistências e participou pela 7ª vez do All Star Game, sendo ainda eleito para o 2º Time Ideal da NBA pela 5 vez. Por sua vez, PG13 foi para seu 5ª Jogo das Estrelas e foi indicado para o “All NBA Third Team”.

Enquanto isso, Anthony teve sua pior temporada em pontos (16.2), minutos (32.1) % de arremessos (40.4) e % de lances livres (76.7) na carreira e nos playoffs chegou a perder espaço na rotação para o jovem e limitado Jeremi Grant.

Ou seja, algo deu errado nesse casamento e a química do time ficou longe de ser a ideal...

Veio a “off season” de 2018 e, mesmo dizendo que aceitaria vir do banco de reservas, Carmelo optou por manter seu último (e gordo) ano de contrato, onde receberá quase 28 milhões de dólares.

Só que o Thunder não queria manter o 6 vezes membro dos times ideais da NBA no elenco e acabaram conseguindo uma troca com os Hawks, que acabaram o dispensando – o jogador abriu mão de sua cláusula de veto a trocas, pois já havia a promessa que ele seria dispensado. Com a dispensa, o time de Atlanta precisará pagar mais de 25 milhões a um jogador que sequer se apresentou ao time, enquanto Melo acabou acertando por 1 ano e salário mínimo de veteranos com os Rockets.

E agora?

Bem, para o Thunder foi sem dúvida a coisa certa a fazer. Anthony não deu certo por lá e o time, além de ter conseguido Dennis Schroder para liderar sua 2ª unidade, se livrou das multas que o salário do ala os fariam pagar.

Já o “namoro” entre Carmelo e os Rockets é antigo...

O
O "banner da discórdia" em 2014 (Foto: Houston Chronicle)

Em 2014, quando se tornou agente livre, Anthony esteve entre assinar com o Chicago Bulls, renovar com os Knicks ou ir para Houston.

Porém, a questão financeira acabou falando mais alto e ele optou pela renovação, recebendo o maior salário possível naquele momento.

Mas outro ponto também pesou contra o time texano naquela época. Tentando agradar o ego de Melo, o time preparou um “banner” do jogador com a camisa do time para recebe-lo em uma reunião no Toyota Center. E na imagem, ele usava a camisa 7 dos Rockets.

Só que naquele momento a camisa 7 tinha um dono. Era Jeremy Lin, que havia sido companheiro de Anthony em NY, na época da “Linsanity”. E o armador se sentiu desrespeitado com isso e a situação também pegou mal com o astro dos Knicks.

Carmelo e Lin nos tempos de NY (Foto: Getty Images)
Carmelo e Lin nos tempos de NY (Foto: Getty Images)

Já antes da temporada passada, novamente os Rockets demonstraram interesse em Carmelo. Porém, apesar de terem praticamente acertado uma troca em julho de 2017, os Knicks não aceitaram Ryan Anderson como parte da negociação e acabaram recebendo Enes Kanter e Doug McDermott de OKC.

Agora, enfim, o camisa 7 vai para Houston, jogar ao lado de Chris Paul e James Harden!

O que esperar de Carmelo Anthony nos Rockets?

Carmelo assinou com os Rockets por 1 ano e 2.4 milhões (Foto: twitter Rockets)
Carmelo assinou com os Rockets por 1 ano e 2.4 milhões (Foto: twitter Rockets)

Em Nova Iorque e em Denver Melo sempre foi o dono do time e foi acostumado a ter a bola nas mãos. Era a forma como ele jogava desde que entrou na NBA – e mesmo antes disso – e por isso foi tão difícil para ele encontrar seu jogo em Oklahoma.

Afinal, ninguém questiona que Russell Westbrook é uma força da natureza.

Porém, apesar de sua grande quantidade de assistências, ele nunca foi reconhecido como um bom passador ou um jogador especialista em criar jogadas para seus companheiros. Prova disso é que temos sempre a impressão de que os jogadores “melhoram” após deixar OKC – e Victor Oladipo e sua ascensão em Indiana é o maior exemplo disso.

Westbrook tem como primeira opção (e talvez também segunda e terceira) a cesta. Ou seja, seus passes muitas vezes não chegam no momento ou na forma ideal e havia quem, inclusive, defendesse que ele e Kevin Durant jogassem mais minutos separados no Thunder para que um não “atrapalhasse” o jogo do outro.

Para Durant, que é um monstro, isso acabava não sendo problema e ele pontuava mesmo assim.

Mas para Melo, que também já não tinha espaço para criar seus próprios arremessos, as coisas não se encaixaram tão bem e, mesmo sendo também uma máquina de pontuar, as coisas acabaram não fluindo.

Mesmo Paul George se adaptou com um pouco mais de facilidade, pois acabava tendo a bola no perímetro com mais espaço do que Anthony. Enquanto isso, o ex-jogador dos Knicks não conseguia nem ser uma arma efetiva no perímetro (apesar dos 35% de aproveitamento), nem fazer um jogo de média e curta distância, pois roubava o espaço dos voos de Russell.

E a medida que o tempo passou isso ficou ainda mais evidente, com a insatisfação de Carmelo ficando evidente.

Entretanto, a separação entre o jogador e franquia de Oklahoma parece ter ocorrido sem maiores traumas, até mesmo por ser o melhor caminho para as 2 partes. Claro que será interessante ver o 19ª cestinha da história da NBA encarando o Thunder e certamente mostrando que ele ainda pode ser melhor que foi na última temporada.

No entanto, a própria carta escrita pelo jogador agradecendo OKC e os fãs do Thunder mostra o clima ameno.

“Obrigado OKC

Eu sei que foi apenas uma temporada, mas a partir do momento que cheguei em OKC, fui recebido com tanto amor pelo time, pela organização, e claro, os fãs INCRÍVEIS desta incrível cidade. Durante toda a temporada, jogo após jogo, você me aplaudiu e torceu por nós como um time. Isso é algo que sempre vou amar e nunca esquecer. Esse apoio genuíno me manteve durante toda a temporada.

NA VIDA, aprendi que as coisas nem sempre acabam como você quer. Eu não queria nada mais do que fazer funcionar aqui e ajudar a trazer a cidade um campeonato. Me desculpe, não deu certo enquanto eu estava aqui.

Obrigado a Russ, PG, Sam Presti, ao treinador Billy Donovan, à comissão técnica e à toda a equipe que trabalham tão arduamente e diligentemente na Chesapeake Energy Arena e nas instalações de treino. Eu agradeço muito a todos vocês. Por último, mas não menos importante, obrigado a proprietário e presidente do Thunder Sr. (Clay) Bennett por acreditar em mim.

Este capítulo da minha carreira pode estar chegando ao fim, mas minha história está longe de terminar.

Amor sempre.

STAYME7o”

Então, como fazer dar certo em Houston?

Ainda não se sabe exatamente o papel que será exercido por Anthony na rotação dos Rockets. Há quem diga, inclusive, que ele precisará sair do banco, algo ainda não confirmado pelo técnico Mike D´Antoni.

Ao ser questionado sobre o assunto, Melo foi bem tranquilo na resposta dada a TMZ Sports: “Vamos deixar o jogo acontecer naturalmente. Eu não sei o que vai acontecer. Eu acabei de assinar”.

E falando em D´Antoni, o jogador disse que os Rockets tem um melhor encaixe para Carmelo do que os Knicks, quando ele era treinador do time.

“Naquela época eu estava indo pelo meu instinto, e ele estava fazendo as coisas seguindo seu instinto. E os estilos se chocaram. Agora as coisas mudaram e todo mundo está jogando da mesma maneira. É um momento muito melhor e acho que temos uma boa chance de sermos realmente bons”, falou o Técnico do Ano na temporada 2016-17.

Realmente, o time de Houston joga um dos basquetes mais modernos do momento na NBA e Anthony pode se aproveitar disso para encontrar espaços e oportunidades para pontuar – algo que ele sempre fez muito bem.

O treinador ainda fez referência ao jogo adotado pelo seu time e o praticado pelo US Team – Carmelo é o único jogador com 3 medalhas de ouro olímpicas e para muitos sua versão “Olympic Melo” é sua melhor versão. (rs)

Um jogo de velocidade, transição, pontuação rápida, tiros longos e, por que não dizer, pouca defesa. Algo semelhante ao que é praticado em Houston, exceto pelo último item.

Além disso, se olharmos para os estilos de Harden e Paul e de Westbrook e George, a nova dupla que atuará ao lado de Melo também precisa jogar com a bola nas mãos. Entretanto, são conhecidos como criadores de jogadas e costumam extrair o melhor dos jogadores à sua volta, especialmente Paul.

Os novos companheiros juntos no US Team (Foto: espn.com)
Os novos companheiros juntos no US Team (Foto: espn.com)

Paul é amigo de Anthony e tem, inclusive, a experiência ao lado do novo companheiro com a seleção americana.

Podemos dizer, então, que ofensivamente é fácil vislumbrar um encaixe tranquilo de Carmelo no time – isso, claro, sem o protagonismo dos tempos de Nova Iorque e Denver.

Ou alguém acha que ele não consegue fazer o que Trevor Ariza fazia no ataque montado por D´Antoni?

Resta saber como será a atuação defensiva do ex-jogador da Universidade de Syracuse.

Bem, é sabido que a defesa nunca foi a principal habilidade de Anthony e que, apesar de nunca ter dado uma declaração como a recentemente dada por Jabari Parker de que “ninguém recebe na NBA para defender”, sua “preguiça” defensiva é conhecida de todos.

Desta forma, dificilmente ele terá a contribuição individual que Ariza e Luc Mbah a Moute tinham. Mas... Será que o prejuízo em um esquema já montado será tão grande assim?

Enfim, parece claro que Houston é um “ambiente” melhor para o jogador do que Oklahoma. Então, não consigo acreditar que a simples presença de um jogador com todo seu potencial, mesmo aos 34 anos, possa prejudicar um time tão “azeitado” como os Rockets.

Ainda mais considerando que o custo disso foi apenas o salário mínimo de veteranos de 2.4 milhões de dólares.

É um time experiente, montado para ser campeão e que chegou a estar vencendo o Golden State Warriors nas Finais do Oeste de 2018 por 3 a 2 – até Chris Paul se lesionar.

Seria Melo a “cereja do bolo” para dar um passo a mais rumo às Finais da NBA?

Ou ele pode mesmo degringolar tudo por lá?

Acho difícil pensar que nomes como PJ Tucker, Ryan Anderson, Gerald Green ou James Ennis – os outros alas à disposição do time – possa ajudar mais (ou atrapalhar menos) que Anthony.

E vale lembrar que mesmo Ariza teve aquela sequência terrível de bolas de 3 perdidas nos jogos decisivos da último temporada.

Mas, se tudo der errado, basta mudar os rumos na próxima “off season”, trocá-lo antes da “trade deadline” ou até mesmo dispensá-lo...

É esperar para ver como as coisas vão se desenrolar em quadra; como Melo, o Barba e Paul vão distribuir a bola e jogo; como será a relação outrora conturbada entre Anhony e D´Antoni; se teremos alguma briga de egos; e, até onde vai esse novo Rockets.

"Houston, será que teremos um problema"? (Foto: worldinsport.com)

Na minha humilde opinião, o céu é o limite para o “Rocket Melo”.

E pelo visto o brasileiro e novamente seu companheiro de equipe Nenê, também acha isso, pois ele disse que Anthony segue sendo “um dos 10 melhores jogadores da NBA”.

“Ele pode ser o que ele quer ser. Ele é talentoso. Não importa quantos anos ele tem. Quando ele se compromete a fazer a coisa certa e eles usam seu talento, o homem sai do caminho. Simples assim, para mim ele é um dos 10 melhores jogadores do campeonato, ainda #Rockets”.

Aí forçou, né? (rs)

Ou é verdade?

#Entre4Linhas

#ILoveThisGame

Curta: EntreQuatroLinhas

NBA divulga calendário da temporada 2018-19. Confira quais são os 25 jogos imperdíveis!

Retornos de ex-jogadores à suas cidades anteriores, os duelos entre as promessas do draft e entre favoritos. Anote na agenda os jogos imperdíveis na NBA

POR André C. Rocha dia
NBA divulga calendário da temporada 2018-19. Confira quais são os 25 jogos imperdíveis!
O Hawks divulgou o que seria a camisa de Carmelo Anthony, mesmo sem o ala ter sequer se apresentado ao time (Foto: si.com)

NBA divulgou seu calendário de jogos para a temporada 2018-19.

Confira a lista com todos os jogos no site oficial da NBA.

A temporada vai começar em 16 de outubro e a liga segue tentando espaçar mais os jogos, diminuir os jogos em noites consecutivas e evitar que jogadores sejam poupados, principalmente nas partidas da TV.

Obviamente o talento está espalhado por todas (ou quase todas) as partidas.

Porém, separamos 25 jogos imperdíveis por motivos que vão além da qualidade dos atletas.

Confira a lista, veja o motivo de cada destaque e ainda veja um jogo "bônus" que listamos:

Fultz e Tatum acabaram em Philadelphia e Boston após troca das escolhas do draft de 2017 (Foto: Sporting News)
Fultz e Tatum acabaram em Philadelphia e Boston após troca das escolhas do draft de 2017 (Foto: Sporting News)

Philadelphia 76ers vs Boston Celtics

Dia 16/10 - TD Garden - Boston, MA

A temporada já começa com a reedição de uma das semifinais do Leste em 2018.

Celtics e Sixers tem elencos repletos de jovens talentosos como Jayson Tatum, Jaylen BrownBen SimmonsMarkelle Fultz e tem tudo para brigar com o Toronto Raptors pela ponta da conferência após LeBron James deixar o Cleveland Cavaliers.

Além disso veremos Joel Embiid se reencontrar com os desafetos Terry Rozier e Marcus Morris e podemos ter Kyrie IrvingGordon Hawyard de volta com a camisa de Boston.

Depois da rodada de abertura os times se enfrentam de novo na Rodada de Natal.

Os reencontros entre KD e Westbrook tem sido sempre repletos de tensão (Foto: For The Win, USA Today Sports)
Os reencontros entre KD e Westbrook tem sido sempre repletos de tensão (Foto: For The Win, USA Today Sports)

Oklahoma City Thunder vs Golden State Warriors

Dia 16/10 - ORACLE Arena - Oakland, CA

No 1º dia também veremos pela 1ª vez os atuais campeões recebendo seus anéis da temporada 2017-18 e expondo sua nova bandeira no teto da Oracle Arena. 

Mas o tempero principal é que isso acontecerá antes de um jogo diante do OKC Thunder. Ou seja, será Kevin Durant recebendo seu 2º anel de campeão diante do time que deixou para se juntar aos Warriors.

Será que teremos mais faíscas entre o MVP das 2 últimas Finais e Russell Westbrook?

O jogo promete! 

Luka Doncic e DeAndre Ayton são os favoritos ao prêmio de Calouro do Ano (Foto: Facebook NBA)
Luka Doncic e DeAndre Ayton são os favoritos ao prêmio de Calouro do Ano (Foto: Facebook NBA)

Dallas Mavericks vs Phoenix Suns

Dia 17/10 - Talking Stick Resort Arena - Phoenix, AZ 

Dono da pior campanha na última temporada, o time de Phoenix teve pela 1ª vez na história a 1ª posição do draft da NBA.

E a escolha da franquia foi pelo pivô DeAndre Ayton, ídolo local e que defendia exatamente a Universidade do Arizona. Com isso os Suns, assim como os Kings, "deixaram passar" o fenômeno esloveno Luka Doncic, que foi selecionado pelos Hawks e trocado para os Mavs.

Aos 19 anos, o ex-jogador do Real Madrid foi indicado pela ESPN americana como principal candidato ao Prêmio de Calouro do Ano.

Será interessante ver um duelo entre Ayton e Doncic já na 1ª semana da temporada.

LeBron apareceu em plena forma nos treinos dos Lakers (Foto: twitter Lakers)
LeBron apareceu em plena forma nos treinos dos Lakers (Foto: twitter Lakers)

Los Angeles Lakers vs Portland Trail Blazers

Dia 18/10 - Moda Center - Portland, OR 

O dia 18/10 nos reservará a estreia de "King" James com a camisa dos Lakers.

Além de James, veremos as estreias de Rajon Rondo, Lance Stephenson, JaVale McGee e Michael Beasley, os outros veteranos contratados para "encorpar" o elenco do time californiano.

Fora de casa, eles terão pela frente os Blazers de Damian LillardCJ McCollum querendo "apagar" a vergonha da varrida sofrida diante dos Pelicans nos últimos playoffs.

Dois dias depois será a estreia de James em Los Angeles.

Rozier e VanVleet foram surpresas na temporada de Celtics e Raptors (Foto: Toronto Star)
Rozier e VanVleet foram surpresas na temporada de Celtics e Raptors (Foto: Toronto Star)

Boston Celtics vs Toronto Raptors

Dia 19/10 - Scotiabank Arena - Toronto, ON

Raptors e Celtics foram os 2 times com as melhores campanhas do Leste na última temporada e a expectativa é de que repitam as boas campanhas e sigam no topo da conferência.

Então nunca é demais ver um duelo entre o time com mais títulos na história da liga e o time canadense.

Até porque pode ser o 2º jogo de Kawhi Leonard pelo time dos Raptors. 

Doncic e Young foram trocados na noite do draft (Foto: Facebook NBA)
Doncic e Young foram trocados na noite do draft (Foto: Facebook NBA)

Dallas Mavericks vs Atlanta Hawks

Dia 24/10 - Philips Arena - Atlanta, GA 

Mais um jogo que entra na lista por causa dos novatos.

E aqui por uma razão simples. Luka Doncic foi selecionado pelos Hawks na 3ª escolha do draft e mandado para Dallas em troca de Trae Young, escolhido na 5ª posição.

Nada melhor do que ver como um se sairá diante do outro, né?

Será que Atlanta vai se arrepender da aposta?

Dwight Howard disse que começou na NBA aprendendo
Dwight Howard disse que começou na NBA aprendendo "Magia" em Orlando e que agora se tonou um "Mago" em Washington (Foto: nba.com)

Washington Wizards vs Golden State Warriors

Dia 24/10 - ORACLE Arena - Oakland, CA

Os Warriors foram o 2º melhor time do Oeste em 2017-18, enquanto os Wizards foram o 8º no Leste. E para a próxima temporada o time da capital americana teve como "grande reforço" a chegada do pivô Dwight Howard.

E Howard declarou que antes de "escolher" por Washington estava negociando com Golden State.

O motivo principal da escolha? O All Star John Wall, que disse recentemente quer acredita que os Wizards podem figurar nas primeiras posições de sua conferência.

Com isso os Warriors acabaram depois fechando com DeMarcus Cousins... Vamos ver como será o encontro de Dwight com os atuais campeões.

Embiid encara a marcação de Valanciunas (Foto: Raptors Republic)
Embiid encara a marcação de Valanciunas (Foto: Raptors Republic)

Philaldelphia 76ers vs Toronto Raptors

Dia 30/10 - Scotiabank Arena - Toronto, ON

Outro duelo entre os times previstos para figurar nas primeiras posições do Leste.

Kyle Lowry, Kawhi, Jonas Valanciunas e Serge Ibaka recebem Embiid, Simmons e Cia.

Mais uma promessa de jogão!

Anthony Davis já disse que DeMarcus Cousins agora será seu inimigo (Foto: FTW, USA Today Sports)
Anthony Davis já disse que DeMarcus Cousins agora será seu inimigo (Foto: FTW, USA Today Sports)

Golden State Warriors vs New Orleans Pelicans

Dia 30/10 - Smoothie King Center - New Orleans, LA
(Ou 16/01 também em Nova Orleans ou 09/04 em Oakland)

Anthony Davis e Cousins formaram as "Torres Gêmeas" dos Pelicans por 1 temporada e meia, sem considerar a lesão de DeMarcus.

Os dois se deram muito bem e Davis chegou até mesmo a usar uma camisa do lesionado companheiro no primeiro tempo do último All Star Game.

Porém, o "Monocelha" disse recentemente que o pivô agora é seu inimigo!

Vamos ver quando será o reencontro entre ambos...

A passagem de IT por Cleveland foi para ser esquecida (Foto: Bleacher Report)
A passagem de IT por Cleveland foi para ser esquecida (Foto: Bleacher Report)

Denver Nuggets vs Cleveland Cavaliers

Dia 01/11 - Quicken Loans Arena - Cleveland, OH 

Os Nuggets acabaram a última temporada em 9º do Leste e tudo indica que os Cavs devem ficar fora dos playoffs em 2019.

Então por que esse jogo chama atenção?

Simplesmente porque Isaiah Thomas recentemente chamou Cleveland de cidade de "m%$#@" em uma "Live" na internet, completando dizendo que entendia os motivos da saída de LeBron. Veja aqui (em inglês).

Claro que depois ele veio a público se desculpar...

Mas vamos ver como será sua recepção pelos fãs dos Cavaliers. 

Carmelo assinou com os Rockets por 1 ano e 2.4 milhões (Foto: twitter Rockets)
Carmelo assinou com os Rockets por 1 ano e 2.4 milhões (Foto: twitter Rockets)

Houston Rockets vs Oklahoma City Thunder

Dia 08/11 - Chesapeake Energy Arena - Oklahoma City, OK 

Carmelo Anthony chegou ao Thunder na última temporada para formar um "big three" com Westbrook e Paul George. Porém, as coisas não funcionaram como esperado e ele acabou trocado pelo time de OKC e, após ser dispensado pelos Hawks assinou por 1 ano com os Rockets.

A saída foi de certa forma "amigável" e Melo escreveu, inclusive, uma carta de agradecimento à Oklahoma. Confira aqui (em inglês).

Porém, um reencontro sempre é algo interessante de se ver...

Ainda mais quando as coisas não deram muito certo e fica aquele vontade de se provar algo mais.

O segundo encontro será em 25/12...

Lesionado em 2017-18, Hayward enfim poderá voltar a Utah pelos Celtics (Foto: FTW, USA Today Sports)
Lesionado em 2017-18, Hayward enfim poderá voltar a Utah pelos Celtics (Foto: FTW, USA Today Sports)

Boston Celtics vs Utah Jazz

Dia 09/11 - Vivint Smart Home Arena - Salt Lake City, UT 

Antes da última temporada Hayward se despediu do Jazz rumo aos Celtics.

Porém, sua temporada durou apenas alguns minutos devido à lesão no jogo de abertura.

Chegou, então, o momento de vê-lo de volta à Salt Lake City. 

Curry e Paul se reencontram após a lesão de CP3 nas últimas Finais do Oeste (Foto: San Francisco Chronicle)
Curry e Paul se reencontram após a lesão de CP3 nas últimas Finais do Oeste (Foto: San Francisco Chronicle)

Golden State Warriors vs Houston Rockets

Dia 15/11 - Toyota Center - Houston, TX

Os Rockets fizeram a melhor campanha da NBA na temporada 2017-18 e chegaram a estar vencendo as Finais do Oeste por 3 a 2.

Porém, Chris Paul se lesionou no jogo 6, os Warriors viraram a série e levaram mais um título para casa.

Então, esse reencontro não apenas coloca frente a frente 2 dos melhores times da liga, como esquenta uma rivalidade temperada pelo pergunta: "o que teria acontecido se CP3 não tivesse se machucado"?

Jabari Parker precisará mostrar seu valor agora em Chicago (Foto: Chicago Tribune)
Jabari Parker precisará mostrar seu valor agora em Chicago (Foto: Chicago Tribune)

Chicago Bulls vs Milwaukee Bucks

Dia 16/11 - Fiserv Forum - Milwaukee, WI

Jabari Parker foi o 2º escolhido em seu draft e apesar do talento demonstrado teve sua carreira até aqui marcada por lesões.

Natural de Chicago, o ala terá uma nova chance de recomeçar, agora em casa, e em 16/11 reencontrará os Bucks.

Será o momento de provar que eles não deveriam ter "desistido" dele?

Ou a gratidão por terem o liberado para assinar com os Bulls falará mais alto?   

LeBron deu o tão sonhado título à cidade de Cleveland (Foto: Sporting News)
LeBron deu o tão sonhado título à cidade de Cleveland (Foto: Sporting News)

Los Angeles Lakers vs Cleveland Cavaliers

Dia 21/11 - Quicken Loans Arena - Cleveland, OH

A volta de LeBron para casa, agora com a famosa camisa dourada e roxa.

Se quando James havia saído rumo à Flórida ele foi execrado pelos torcedores dos Cavs, agora deve ser diferente.

Afina, ele deu à Cleveland seu 1º título na história das grandes ligas americanas.

"Cleveland, isso é pra você"!

Relembre aqui.

Lance Stephenson e Victor Oladipo agora vão se encontrar de lados opostos (Foto: Fox Sports)
Lance Stephenson e Victor Oladipo agora vão se encontrar de lados opostos (Foto: Fox Sports)

Indiana Pacers vs Los Angeles Lakers

Dia 29/11 - Staples Center - Los Angeles, CA

O reencontro do "maluco beleza" Lance Stephenson com os Pacers.

Será que agora teremos "sopradinha" na orelha de Victor Oladipo?

Vai saber... ¯\_(ツ)_/¯

Giannis Antetokounmpo fez os Bucks voltarem à Rodada de Natal (Foto: NY Daily News)
Giannis Antetokounmpo fez os Bucks voltarem à Rodada de Natal (Foto: NY Daily News)

Milwaukee Bucks vs New York Knicks

Dia 25/12 - Madison Square Garden - New York, NY

Os Bucks estão na Rodada de Natal pela 1ª vez desde 1977.

E qual o motivo para isso? Giannis Antetokounmpo, que cada vez mais se firma como um jogador de elite na liga.

E nessa partida o grego pode ter pela frente outro dos "unicórnios" da NBA.

Isso, claro, se Kristaps Porzingis já estiver recuperado de sua lesão no joelho.

Seria um duelo que certamente engrandeceria a rodada festiva da NBA. Vamos torcer para que aconteça.

A molecada dos Lakers precisará
A molecada dos Lakers precisará "mostrar serviço" diante dos Warriors (Foto: Sporting News)

Los Angeles Lakers vs Golden State Warriors

Dia 25/12 - ORACLE Arena - Oakland, CA

Também para o Natal está previsto o 1º reencontro de LeBron com os Warriors - seus rivais nas últimas 4 Finais da NBA - o duelo também vai acontecer em outra data festiva, o Martin Luther King Day, em 21/01.

Porém, além do reencontro entre James e Curry e Cia, será a chance de ver os jovens Brandon Ingram, Lonzo BallKyle Kuzma e Josh Hart em ação contra o melhor time da atualidade.

Aguardemos para ver a evolução da molecada após 2 meses de temporada.

Mitchell bateu o recorde de Lillard em bolas de 3 convertidas por um calouro (Foto: Slam Online)
Mitchell bateu o recorde de Lillard em bolas de 3 convertidas por um calouro (Foto: Slam Online)

Portland Trail Blazers vs Utah Jazz

Dia 25/12 - Vivint Smart Home Arena - Salt Lake City, UT

Jazz e Blazers são dois times que tem jovens estrelas e que tem expectativa de crescimento em 2018-19.

Prova disso, e do talento dos elencos, é que foram escalados para um dos 5 jogos do Natal.

Nos resta, portanto, aproveitar a oportunidade de ver Mitchell, Rudy Gobert, Ricky Rubio, Lillard, McCollum e Jusuf Nurkic em ação.

No Canadá, Kawhi Leonard pode voltar às Finais da NBA (Foto: Clutch Points)
No Canadá, Kawhi Leonard pode voltar às Finais da NBA (Foto: Clutch Points)

Toronto Raptors vs San Antonio Spurs

Dia 03/01 - AT&T Center - San Antonio, TX

Kawhi Leonard de volta a San Antonio após toda a tensão, descontentamento e histórias mal contadas no último ano.

Como será que a torcida texana receberá o MVP das Finais de 2014?

Apesar da amigável carta de despedida divulgada, será que o 2 vezes Melhor Defensor da Liga ainda tem mágoas com a diretoria dos Spurs? 

Mais um reencontro que pode ser muito interessante...

Griffin foi trocado pelos Clippers após promessa de ter sua camisa aposentada em LA (Foto: NBA.com)
Griffin foi trocado pelos Clippers após promessa de ter sua camisa aposentada em LA (Foto: NBA.com)

Detroit Pistons vs Los Angeles Clippers

Dia 12/01 - Staples Center - Los Angeles, CA

Antes da temporada 2017-18 Blake Girffin renovou com os Clippers sob a promessa de ser a "cara da franquia" e ser o 1º jogador a ter a camisa aposentada pela franquia.

Porém, com o andamento da temporada o time de Los Angeles decidiu mudar de rumos e mandou o ala-pivô para Detroit.

Agora será a 1ª vez de Griffin de volta ao Staples Center para encarar sua ex-equipe.

Parker leva toda sua experiência para Charlotte (Foto: twitter Hornets)
Parker leva toda sua experiência para Charlotte (Foto: twitter Hornets)

Charlotte Hornets vs San Antonio Spurs

Dia 14/01 - AT&T Center - San Antonio, TX 

Aqui um reencontro que promete ser emocionante.

Afinal, Tony Parker deixou San Antonio rumo à Charlotte após 17 temporadas.

E em janeiro o francês reencontrará a torcida que o viu conquistar 4 títulos, com direito ao troféu de MVP das Finais em 2007.

Kyrie e LeBron agora serão os protagonistas da maior rivalidade da NBA (Foto: NBA.com)
Kyrie e LeBron agora serão os protagonistas da maior rivalidade da NBA (Foto: NBA.com)

Los Angeles Lakers vs Boston Celtics

Dia 07/02 - TD Garden - Boston, MA

Quatro temporadas dividindo a quadra, quatro títulos do Leste e um anel de campeão.

Porém, antes da última temporada Kyrie Irving pediu para deixar Cleveland, pois queria deixar a "sombra" de LeBron James.

O reencontro entre ambos já aconteceu em 2017-18 e o clima não aparentou nenhuma animosidade.

Porém, agora os 2 craques passarão a protagonizar a maior rivalidade da NBA!

E em 07/02 estarão lados opostos pela 1ª vez com as camisas de Lakers e Celtics. 

DeRozan já disse que circulou no calendário o dia da sua volta ao Canadá (Foto: twitter Spurs)
DeRozan já disse que circulou no calendário o dia da sua volta ao Canadá (Foto: twitter Spurs)

San Antonio Spurs vs Toronto Raptors

Dia 22/02 - Scotiabank Arena - Toronto, ON

Aqui um jogo repleto de expectativas. Afinal, DeMar DeRozan foi a parte "mais afetada" da troca que o levou para os Spurs e levou Leonard para Toronto.

Manifestações públicas, descontentamento assumido, sentimento de traição e questionamentos sobre a lealdade na NBA.

Por isso, o dia 22/02 é um dia que está circulado no calendário do ala-armador, que deve ser ovacionado pela franquia a quem tanto se dedicou.  

Nuggets e Wolves decidiram sua
Nuggets e Wolves decidiram sua "sorte" em duelo na última rodada em 2018 (Foto: Nugg Love)

Minnesota Timberwolves vs Denver Nuggets

Dia 10/04 - Pepsi Center - Denver, CO

Nuggest e Wolves disputaram a última vaga do Oeste até a prorrogação do último jogo da temporada passada.

Melhor para o time de Minnesota, que voltou à pós-temporada após 14 anos.

E a tabela da temporada 2018-19 coloca as 2 equipes frente a frente novamente na última rodada.

Será que temos chances de vê-los novamente decidindo o futuro em um confronto direto? 

Bônus: 

O Hawks divulgou o que seria a camisa de Carmelo Anthony, mesmo sem o ala ter sequer se apresentado ao time (Foto: si.com)
O Hawks divulgou o que seria a camisa de Carmelo Anthony, mesmo sem o ala ter sequer se apresentado ao time (Foto: si.com)

Houston Rockets vs Atlanta Hawks

Dia 19/03 - Philips Arena - Atlanta, GA

Carmelo Anthony passou por Atlanta apenas para garantir o pagamento de seu salário...

Com isso, os Hawks pagarão o 19º maior salário da NBA em 2018-19 para um jogador que nunca defendeu a equipe.

Mas isso não parece preocupar a franquia, que divulgou, inclusive, uma camisa de Melo em sua conta do twitter.

Será que o jogador receberá alguma homenagem em 19/03, data em que o time da Geórgia recebe os Rockets? (rs)

Algumas curiosidades sobre o calendário:

  • A temporada começará "mais cedo" pelo 2º ano seguido;
  • Mais uma vez não teremos séries de 4 jogos em 5 noites para nenhuma franquia;
  • Os jogos em dias consecutivos tem a menor média da história (13.3 para cada franquia, contra 14.4 na temporada passada);
  • 22 times terão menos jogos em "back-to-back" comparados à 2017-18;
  • Não teremos mais séries de 8 jogos em 12 dias;
  • As séries de 5 jogos em 7 dias caíram em 42% em relação à última temporada;
  • Os Lakers serão o time com mais jogos transmitidos na TV nos EUA (43, contra 35 em 2017-18);
  • Os Warriors caíram de 43 jogos na TV americana para 40;
  • Os Sixers subiram de 23 jogos televisionados para 39; e,
  • O Cleveland Cavaliers nessa Era Pós LeBron terá apenas 7 jogos transmitidos, contra 39 na temporada passada!

Veja a quantidade de jogos televisionada de cada franquia:

Chega logo, 16/10/2018!

#Entre4Linhas

#ILoveThisGame

Curta: EntreQuatroLinhas

Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA

Listamos os 15 maiores rendimentos acumulados por jogadores em suas carreiras na NBA

POR André C. Rocha dia
Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA
Esses são os donos dos maiores salários acumulados na história da NBA (Montagem: Sobe a Bola)

Na era dos super times e dos super contratos – e onde o teto salarial parece cada vez ser menos importante para algumas franquias -, listamos os jogadores que tem os maiores salários acumulados na história da NBA até a temporada 2018-19.

Nove dos quinze nomes são de jogadores ainda em atividade.

Sobre isso, cabe ressaltar que a época em que o jogador esteve na liga influência muito, e que quanto mais subir o teto salarial e os super salários multiplicarem veremos novos nomes nesta lista. Fora que as fortunas dos atletas não vem só de salários, mas de outras coisas como contratos de patrocínio - vide Michael Jordan e seus 1.85 bilhões de dólares estimados em 2017.

Ou seja, a lista abaixo representa apenas uma contabilização do que os jogadores receberam das franquias, sem qualquer análise de merecimento, contextualização ou atualização monetária, ok?

Veja também aqui a lista dos maiores contratos da história e aqui a lista dos maiores salários para a próxima temporada.

Confira o TOP15:

1. Kevin Garnett | $334,304,240 | Minnesota TimberwolvesBoston CelticsBrooklyn Nets (21 temporadas)

Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA
(Foto: Getty Images)

2. Kobe Bryant | $323,312,307 | Los Angeles Lakers (20 temporadas)

Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA
(Foto: Lakers Brasil)

3. Shaquille O´Neal | $286,344,668 | Orlando Magic, Los Angeles Lakers, Miami HeatPhoenix SunsCleveland Cavaliers e Boston Celtics (19 temporadas)

Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA
(Foto: nba.com)

4. Dirk Nowitzki | $246,646,362 | Dallas Mavericks (21 temporadas)

Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA
(Foto: nba.com)

5. Tim Duncan | $240,143,550 | San Antonio Spurs (19 temporadas)

Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA
(Foto: USA Today)

6. LeBron James | $233,893,001 | Cleveland, Cavaliers, Miami Heat e Los Angeles Lakers (16 temporadas)

Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA
(Foto: nba.com)

7. Carmelo Anthony | $227,364,419 | Denver Nuggets, New York Knicks, OKC ThunderAtlanta HawksHouston Rockets (16 temporadas)

Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA
(Foto: si.com)

8. Joe Johnson | $214,797,154 | Boston Celtics, Phoenix Suns, Atlanta Hawks, Brooklyn Nets, Miami Heat, Utah Jazz e Houston Rockets (17 temporadas - ainda é agente livre em 2018)

Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA
(Foto: AP Photo)

9. Chris Bosh | $212,225,902 | Toronto Raptors e Miami Heat (13 temporadas)

Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA
(Foto: Palm Beach Post)

10. Dwight Howard | $210,235,761 | Orlando Magic, Los Angeles Lakers, Houston Rockets, Atlanta Hawks, Charlotte HornetsWashington Wizards (15 temporadas)

Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA
(Foto: nba.com)

11. Pau Gasol | $198,999,615 | Memphis Grizzlies, Los Angeles Lakers, Chicago Bulls e San Antonio Spurs (18 temporadas)

Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA
(Foto: espn.au)

12. Paul Pierce | $195,132,032 | Boston Celtics, Brooklyn Nets, Washington Wizards e LA Clippers (19 temporadas)

Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA
(Foto: CLNS Media)

13. Dwyane Wade | $193,994,586 | Miami Heat, Chicago Bulls e Cleveland Cavaliers (15 temporadas - ainda é agente livre em 2018)

Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA
(Foto: si.com)

14. Chris Paul | $186,796,628 | Charlotte Hornets, LA Clippers e Houston Rockets (14 temporadas)

Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA
(Foto: Yahoo Sports)

15. Zach Randolph | $184,904,937 | Portland Trail Blazers, New York Knicks, LA Clippers e Memphis Grizzlies e Sacramento Kings (18 temporadas)

Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA
(Foto: SB Nation)

E o TOP10 dos jogadores anda em atividade fica completo com Vince Carter, que já ganhou $167,087,631, vai para sua 21ª temporada na liga e é o 21º no geral.

Jogadores mais bem pagos (salários acumulados) na história da NBA
(Foto: sportsnet.ca)

Fonte: www.sportrac.com

#Entre4Linhas

#ILoveThisGame

Curta: EntreQuatroLinhas

Vince Carter, DeMar DeRozan, Toronto Raptors e a lealdade na NBA

Vince Carter critica a postura dos Raptors com DeMar DeRozan, mas o próprio Carter fez de tudo para deixar o time no passado. Houve desrespeito a DeRozan?

POR André C. Rocha dia
Vince Carter, DeMar DeRozan, Toronto Raptors e a lealdade na NBA
Cada um por um motivo, DeRozan e Carter tiveram saídas turbulentas do Canadá (Foto: slamonline)

A troca entre San Antonio Spurs e Toronto Raptors, que levou Kawhi Leonard para o Canadá e DeMar DeRozan para o Texas foi uma "bomba" no mundo da NBA.

Primeiramente por ter representado o fim da "novela" entre Kawhi e os Spurs, mas também por ter resultado na saída de DeRozan do time canadense.

Afinal, o ala-armador representava a cara da franquia e não tinha qualquer histórico de problemas de relacionamento por lá. Líder histórico dos Raptors em jogos, minutos, arremessos convertidos e tentados, lances livres convertidos e tentados e pontos, DeMar sequer ouviu outras propostas quando se tornou agente livre e já havia dito que não tinha qualquer interesse em sair do Canadá.

Por isso, o 4 vezes All Star acabou se sentindo traído pela direção da franquia com a troca e alegou que não recebeu a atenção e o respeito que merecia por tudo que deu ao time.

"Eu fiquei realmente chocado. Não sabia o que pensar, pois não parecia ser algo real. Minha reação seria diferente e eu estaria melhor preparado se tivesse sido avisado com antecedência, mas fui pego de surpresa. Perguntei uns três dias antes se havia alguma conversa acontecendo e negaram", disse DeRozan à ESPN.

"Pensava que seria só mais um verão, mas agora preciso seguir em frente".

Tais afirmações são negadas pelo presidente dos Raptors Masai Ujiri, que disse que o jogador sabia que haviam negociações em andamento e só foi pego "de surpresa" no fechamento do negócio.

Porém, o atleta de 28 anos também se mostrou insatisfeito com as justificativas para a troca:

"É frustrante. Os culpados fomos só eu e Dwane? Só nós dois perdemos? O único time para o qual perdemos nos playoffs nos últimos anos foi sempre para a Final da NBA", prosseguiu, se referindo às derrotas para os Cavs e à demissão de Dwane Casey, eleito o Técnico do Ano em 2018. "Dei tudo o que tinha por essa franquia e isso pode ser percebido na minha evolução individual e coletiva. Para mim a alegação de que precisava ser feita alguma coisa é pura besteira".

"Sinto que não fui tratado com o respeito que merecia por Masai, pelos nove anos de sacrifícios pela equipe. Eu podia ser trocado, qualquer um pode, mas tudo o que queria era ser informado com antecedência. Gostaria de encerrar a minha carreira em Toronto, mas nunca me iludi com isso. Eu sacrifiquei muita coisa pelo Raptors. Só queria ter a chance de preparar-me para o próximo capítulo da minha vida”, concluiu o astro.

Ou seja, foi mais uma situação que trouxe à tona a questão envolvendo a relação entre os jogadores e as franquias na NBA.

Vince Carter, ex-jogador dos Raptors, se mostrou surpreso com a negociação de DeRozan, mesmo já tendo visto e vivido muitas coisas em suas 20 temporadas na liga.

"Minha primeira reação foi de surpresa. A primeira coisa que disse foi 'Uau'. Simples assim. As relações entre franquias e jogadores são diferentes de qualquer outro tipo de relação. Obviamente eles têm que cuidar dos interesses da organização e o atleta fica 'de lado'. Então é muito complicado, chega a ser assustador", disse o atleta de 41 anos.

Vince Carter, DeMar DeRozan, Toronto Raptors e a lealdade na NBA
Carter e DeRozan em jogo entre Raptors e Kings na última temporada (Foto: The Star)

Vale lembrar que a saída de Carter após 7 temporadas no Canadá foi repleta de polêmica, com o jogador "forçando" sua troca para jogar no à época New Jersey Nets.

Carter também era a cara da franquia canadense e foi o grande responsável por instituir uma "cultura" de basquete em Toronto, com seu talento, habilidade e seu show de enterradas. Porém, diferente de DeRozan, Carter quis buscar novos rumos, pois acreditava que no Canadá não conseguiria lutar por títulos.

Seu impacto foi tamanho que podemos dizer que a continuidade dos Raptors até hoje passa pela "Vinsanity" - vide o fato dos Grizzlies, que deixaram Vancouver rumo a Memphis. Só que Carter não foi 1º nem o último a querer deixar os Raptors. Antes dele isso aconteceu com nomes como Damon Stoudemire e Marcus Camby e depois com nomes como Alonzo Mourning e Chris Bosh.

Vince Carter, DeMar DeRozan, Toronto Raptors e a lealdade na NBA
Carter para muitos é o melhor "dunker" de todos os tempos (Foto: sportsnet_ca)

E isso também torna o caso de DeRozan - que queria ser um Raptor até o final de sua carreira - mais impactante.

"Os donos de times têm um olhar diferente sobre as outras coisas. Eles não pensam muito na cidade, que perde um ídolo, ou então nos jogadores. Por tudo que ele já fez pela franquia, DeMar tinha todo o direito de se aposentar como jogador dos Raptors, o que era um desejo dele, mas esse tipo de coisa não é pensada pela organização. Se surge uma oportunidade, eles priorizam o que é importante para eles como organização", explicou ele, que atuará na próxima temporada pelo Atlanta Hawks.

Uma declaração sincera de um jogador do alto de sua experiência. Mais uma constatação, do que uma crítica, de alguém que sabe como funcionam os negócios da NBA.

Sobre sua escolha pelo time de Atlanta, Carter disse que lhe pareceu o mais certo a fazer, ao invés de ter ido para alguma franquia apenas atrás de um anel de campeão. "Eu provavelmente poderia ter feito isso em qualquer lugar. Mas eu ainda quero jogar. Quaisquer que sejam os minutos, eu os quero. E eu gosto de ensinar e farei isso onde eu estiver. É quem eu sou. Eu sou de outra geração e é assim que eu sou. Não sou contra a forma como muitos pensam hoje em dia. Só não funciona para mim", afirmou.

"Talvez, quando eu não puder contribuir tanto, talvez quando o jogo me mostrar que estou ficando para trás, então talvez eu faça parte de um time onde eu não jogue tanto e colha os benefícios de um campeonato". Porém, concluiu: "Mas acho que antes que isso aconteça, provavelmente eu irei me aposentar".

E essas declarações, assim como as que envolveram DeMar, mostram as dualidades do esporte. Uma mistura de paixão e necessidade de vitórias, que muitas vezes geram um conflito de interesses. Seja pelo lado do time, da torcida ou do atleta.

Em especial na relação franquia/atleta, que são as duas faces de uma mesma moeda.

E sobe essas misturas de sentimentos, Vince também abordou o lado positivo da mudança de DeRozan, que será trabalhar com Gregg Popovic em San Antonio.

"Trabalhar com Pop vai fazer ele se tornar um jogador de outro nível. Isso vai fazer muito bem para ele. Popovich é um cara muito experiente e vencedor e que vai ensiná-lo a jogar em todas as posições e também sem a bola", completou.

E o próprio DeMar sabe disso e já declarou que deseja ser um líder para os jovens do elenco dos Spurs. "Eu estou indo para o meu décimo ano na liga, então com tudo o que aprendi também posso ensinsar". E prosseguiu: “Mas eu também posso aprender com esses jovens e estou ansioso pelo que está por vir".

Tudo isso mostra o quão difícil é manter a imparcialidade em um mundo onde temos tantos desejos e interesses envolvidos.

Seja na troca de DeRozan, que queria ficar em Toronto; seja na ida de Kawhi para o Canadá ao invés de Los Angeles; seja no pedido de troca de Kyrie Irving para "sair da sombra" de LeBron James; seja nas escolhas de Kevin Durant ou de DeMarcus Cousins em se juntar ao Golden State Warriors; seja na escolha de LeBron e Bosh em levar seus talentos para Miami ao lado de Dwyane Wade; seja no "veto" de David Stern à troca que quase levou Chris Paul para Los Angeles, quando a NBA era dona do New Orleans Hornets; seja na troca "forçada" por Carter; ou seja na ida de Karl Malone para LA ou de Charles Barkley para Houston atrás de um anel de campeão (ambos sem sucesso)...

Cada um sempre terá sua opinião e falar em fidelidade no mundo do esporte pode ser um grande risco. Desta forma, o mais importante é é manter sua opinião e evitar tratar um assunto tão multifacetado com dois pesos e duas medidas.

O melhor é aceitar e aproveitar tudo o que a NBA e o esporte de alto nível proporciona a todos os fãs.

#Entre4Linhas

#ILoveThisGame

Curta: EntreQuatroLinhas

©2015 - 2018 Sobe a Bola - Todos os direitos reservados.