Novidade - Loja do Sobe a Bola

Sobre o Autor:

Thiago Colman

Thiago Colman

Acompanha a NBA desde 2006, torce pelo maior campeão da liga com 17 títulos, acredita que números não valem nada, se não vierem junto com anéis.

Stephen Curry teve um verão avassalador

Festivais, prêmios, torneios de golfe, jogos contra gigantes da Ásia, férias nas Ilhas Turcas e Caicos, acampamentos de basquete e muito mais

POR Thiago Colman dia
Stephen Curry teve um verão avassalador
Curry na Universidade de Ciência Eletrônica e Tecnologia da China.(Créditos: Getty Images)

De contrato renovado, Stephen Curry teve um dos melhores verões de sua vida, o astro do Golden State Warriors vai receber uma bolada pelos próximos anos e continuar lutando para ser mais vezes campeão, ele vai receber US$ 201 milhões durante os próximos cinco anos.

Enquanto estava de férias no mês passado nas Ilhas Turcas e Caicos o armador do Warrios estava pilotando seu drone no hotel e aproveitou para dar uma entrevista.

"Eu não quero me aprofundar demais no que posso fazer, mas nos últimos anos eu tenho tentado descobrir como eu posso ter o maior impacto fora das quadras de forma consistente e impactante", disse Curry com 29 anos, dois meses depois de ganhar outro título de campeão da NBA.

"Vou seguir em frente e, obviamente, focar em dar alegrias ao Golden State Warriors para tentar deixar um impacto duradouro no time, é minha forma de agradecer tudo de bom que aconteceu na minha vida e da minha família desde que eu estive aqui nos últimos oito anos."

"Obviamente ajudando a melhorar a comunidade também, não se trata só de dinheiro, mas melhorar as conexões e idéias para fazer isso acontecer (ser campeão). A renovação de contrato coloca mais responsabilidade para que isso aconteça e eu obviamente estou ciente disso. Tenho um grande time em torno de mim, eu vou ajudar meu time a fazer isso."

Enquanto Curry recebeu seu generoso novo contrato, o GM do Warriors, Bob Myers, manteve quase todo o elenco do time intacto para tentar conquistar novamente o título da NBA. Desde o MVP Kevin Durant, que aceitou renovar seu contrato e receber menos para o time conseguir pagar Andre Iguodala e o reserva peça-chave do time, Shaun Livingston junto com os pivôs Zaza Pachulia, JaVale McGee e David West.

"É muito bom, porque temos um grande potencial e oportunidade de fazer coisas incríveis e ganhar mais títulos", disse Curry. "Quando você tem essa química, você não quer que isso acabe."

Tem sido um outro verão avassalador para Curry, que na semana passada fez uma aparição impressionante na Web Ellie Mae, antes de perder no torneio de golfe, que é uma divisão abaixo do PGA Tour.

Conquistar dois títulos em três anos na NBA é muito especial, nunca se esqueça disso.

"Eu penso nisso todos os dias e isso me ajuda a colocar as coisas em perspectiva, como sou abençoado por ser capaz de fazer o que eu posso fazer dentro e fora das quadras, as oportunidades que ainda tenho, como ter meu acampamento, eu costumava ir a acampamentos de ídolos meus e aprendi com eles tudo o que podia", disse ele. "Avancei rapidamente nos últimos anos e agora estou do outro lado dessa equação de próxima geração de grandes jogadores. Todo que aconteceu é muito surreal, e é uma honra estar nessa posição. Na verdade me ajuda a ficar motivado para continuar a trabalhar porque eu não quero que isso acabe nunca."

Giannis Antetokounmpo x LeBron James, uma comparação dos dois com 22 anos de idade

Giannis Antetokounmpo pode ser ainda melhor do que nós pensamos: uma comparação de sua carreira com a de LeBron James, quando ambos tinham 22 anos

POR Thiago Colman dia
Giannis Antetokounmpo x LeBron James, uma comparação dos dois com 22 anos de idade
Giannis Antetokounmpo e LeBron James. (Créditos: Getty Images)

LeBron James é 10 anos mais velho que Giannis Antetokounmpo, e quando ele tinha 22 anos de idade ficou claro para muitos que ele tinha potencial para entrar no Top 10 de melhores jogadores de todos os tempos. Eu não acho que podemos falar o mesmo sobre Giannis, mas de acordo com as estatísticas ele merece ser comparado? Vamos dar uma olhada nas estatísticas básicas dos dois com 22 anos de idade:

JogadorMinutosPPGAPGRPGFG %3P %FT %
LeBron 40.9 27.3 6 6.7 47.6 31.9 69.8
Giannis 35.6 22.9 5.4 8.8 52.1 27.2 77

LeBron marcou mais pontos que Giannis porque ele não jogou ao lado de bons pontuadores (Larry Hughes, o segundo maior pontuador de Cleveland na época, tinha médias de 14.9 pontos por jogo e 40% de FG) o que também provavelmente também prejudicou sua eficiência. Giannis jogou 50 jogos com Jabari Parker (20 pontos por jogo e 49% de FG) e quando ele se machucou, Middleton (14,7 pontos por jogo e 45% de FG) voltou de lesão. Além disso, LeBron jogou 5 minutos por jogo a mais que Giannis, então vamos dar uma olhada nas estatísticas deles atuando 36 minutos por jogo:

JogadorMinutosPTSASTREBSTLsBLKTOV
LeBron 36 24.1 5.9 5.3 1.4 0.6 2.8
Giannis 36 23.2 5.5 8.9 1.7 1.9 3

Isso muda um pouco as coisas. LeBron tem 0,9 pontos a mais do que Giannis, e 0,4 assistências também, mas ele pega 3,6 menos rebotes, 0,3 menos roubos de bola e 1,3 menos tocos. Apesar disso, LeBron jogou ao lado de homens maiores do que Giannis, então ele não tem, teoricamente a responsabilidade de pegar rebote e defender o garrafão que Giannis provavelmente tem (ele é o segundo jogador mais alto do Bucks, o primeiro é Thon Maker). Se tomarmos uma rápida olhada em por 100 posses de bola, você pode ver que Giannis pega quase 4 rebotes a mais que LeBron. Vamos olhar as estatísticas avançadas para ver se podemos comparar melhor:

Conclusão: Penso que é justo dizer que Giannis é tão bom quanto pensamos que ele é, mas ainda é cedo para dizer que ele pode chegar ao nível que LeBron chegou, apesar disso ele está no mesmo nível que LeBron James estava com 22 anos de idade. E muitas pessoas consideram LeBron James o melhor jogador de basquete de todos os tempos, então fique atento ao que o jovem jogador do Milwaukee Bucks pode fazer.

O que 76ers, Celtics e Lakers precisam no draft de 2017?

Times que compõem o top 3 do draft de 2017 da NBA precisam de ajustes opostos para chegarem mais alto na NBA, saiba o que cada time precisa

POR Thiago Colman dia
O que 76ers, Celtics e Lakers precisam no draft de 2017?
De'Aaron Fox, Lonzo Ball e Markelle Fultz conhecerão seus novos times na quinta-feira (Créditos: Getty Images)

Philadelphia 76ers

O que 76ers, Celtics e Lakers precisam no draft de 2017?

Escolhas no draft: 1, 36, 39, 46, 50

Aproveitamento na temporada de 2016 - 2017 da NBA: 28 vitórias e 54 derrotas.

Estatísticas da temporada de 2016-17:
Ofensivamente: 100,7 (30°)
Defensivamente: 106,4 (17°)

Forças:

Em uma NBA onde ter um plantel jovem e dinâmico tornarou-se moda, o Sixers estão apostando em seus jovens grandalhões como Jahlil Okafor, Joel Embiid e Darío Saric para liderar o time, junto com Ben Simmons, que estará de volta para a temporada de 2017-18 da NBA, Simmons perdeu a temporada regular devido a uma lesão em seu pé direito.

Fraquezas:

Philadelphia tem buscado no draft jovens talentos, mas é hora de procurar a agência livre e adicionar alguns veteranos em seu elenco.

Duas estatísticas importantes: 

8.4 SPG - Philadelphia ocupa o terceiro lugar na NBA em roubos de bola por jogo, com 8,4 por jogo, uma das poucas estatísticas que classificam o time entre os melhores na NBA.

19, 18, 10, 28 - São as vitórias do Sixers nos últimos quatro anos na temporada regular, os torcedores da Filadélfia têm tido paciência com o processo de rebuilding do time, e após anos de reconstrução, talvez eles finalmente estejam se movendo na direção certa.

Caminho a seguir:

O analista de draft da NBA.com, Scott Howard-Cooper diz seu ponto de vista:
"Markelle Fultz, é claro. Não é só o melhor jogador do draft, mas o armador da Universidade de Washington também se encaixa no plano de jogo do time, para armar as jogadas com Ben Simmons. O 76ers estava a procura de um jogador que saiba arremessar, a chegada de Fultz no time será muito útil.

Los Angeles Lakers

O que 76ers, Celtics e Lakers precisam no draft de 2017?

Escolhas no draft: 2, 28

Aproveitamento na temporada de 2016 - 2017 da NBA: 26 vitórias e 56 derrotas.

Estatísticas da temporada de 2016-17:

Ofensivamente: 103,4 (24º)
Defensivamente: 110,6 (30°)

Forças:

O Lakers têm uma base boa, que lhe dá uma ponte para um futuro promissor, com Brandon Ingram, Julius Randle, Jordan Clarkson e D'Angelo Russell (ele foi trocado com o Nets, saiba mais) como os jovens promissores em Los Angeles, assim como Luke Walton como treinador promissor. Há razões para se ter um certo otimismo, já que Magic Johnson liderará o Lakers em seu primeiro draft e em sua primeira agência livre.

Fraquezas:

O Lakers é terrível na defesa, pode ser devido ao seu elenco ser jovem e muito rotativo, isso dificulta a coesão na defesa. O controle de bola é um problema para um time que teve o maior número de turnovers na temporada.

Duas estatísticas importantes: 

5 - Número de vitórias seguidas do time em abril, a mais longa série de vitórias do Lakers nos últimos quatro anos.

3 - Anos seguidos do Lakers com a segunda escolha no draft da NBA. Russell foi eleito em 2014 e Ingram em 2015.

Caminho a seguir:

O analista de draft da NBA.com, Scott Howard-Cooper dá suas sugestões:
"Um armador é o caminho provável para esse draft, já que essa é a posição com melhores jogadores nesse draft, eu não consideraria Lonzo Ball como garantido com a escolha de número 2. De'Aaron Fox também tem uma grande chance de ser escolhido."

Boston Celtics

O que 76ers, Celtics e Lakers precisam no draft de 2017?

Escolhas no draft: 3, 37, 53, 56

Aproveitamento na temporada de 2016 - 2017 da NBA: 53 vitórias e 29 derrotas, o time perdeu a final da Conferência Leste para o Cleveland Cavaliers

Estatísticas da temporada de 2016-17:

Ofensivamente: 108,6 (8º)
Defensivamente: 105,5 (12º)

Forças:

Os anos de rebuilding finalmente valeram a pena para o Boston Celtics, que ganhou a loteria do draft e saiu com a primeira escolha no draft de 2017. O Celtics terminou a última temporada em primeiro lugar na Conferência Leste. Com Isaiah Thomas e Al Horford, o Celtics busca algo mais para ser dominante no Leste.

Fraquezas:

Com tudo o que Boston tem sido bom e mesmo com várias escolhas garantidas no draft, o time ainda precisa de outro jogador All-Star, a temporada que passou mostrou que falta algo para o time ser mais vitorioso nos playoffs. Um especialista em rebotes seria um bom reforço para o time, o Celtics poderia tentar contratar alguém para ajudar Thomas no ataque do time.

Duas estatísticas importantes: 

42 - rebotes por jogo, é a média do Celtics na temporada regular, o time ficou em 26º lugar geral nesse quisito na temporada passada da NBA.

6 - Escolhas de primeira rodada do Celtics nos próximos quatro drafts da NBA.

Caminho a seguir:

O Celtics ainda tem várias boas opções, mesmo depois de trocar a escolha de número 1, com ela o 76ers provavelmente selecionará Markelle Fultz e o Los Angeles Lakers terá a escolha de número 2, que pode ser usada em Lonzo Ball, De'Aaron Fox ou Josh Jackson. Um desses 3 é um potencial alvo do Celtics, além do ex-jogador de Duke, Jayson Tatum. Para muitos Jackson é o jogador mais preparado para a NBA desse draft.

A temporada de Raulzinho Neto na NBA

Brasileiro Raul Neto teve uma temporada cheia de expectativas atuando pelo Utah Jazz, fizemos um resumo de como foi a temporada regular do jovem jogador

POR Thiago Colman dia
A temporada de Raulzinho Neto na NBA
Raulzinho Neto em ação pelo Utah Jazz (Créditos: Allen Einstein/NBAE/Getty Images)

A segunda temporada de Raul Neto atuando pelo Utah Jazz não foi das melhores, o jovem brasileiro é um jogador promissor na NBA, mas viu sua segunda temporada decair por causa de uma série de lesões. Como podemos analisar sua temporada?

Raulzinho foi selecionado com a escolha de número 47 no draft de 2015 da NBA, Raul Neto tem enfrentado um longo caminho para chegar até seu papel atual com o Utah Jazz. Nascido em Belo Horizonte, o armador jogou no Minas de 2008 a 2011, e atuou profissionalmente no exterior de 2011 a 2015 antes de ir para os Estados Unidos.

Logo que chegou no time de Utah, Raulzinho deu sorte, ele foi remanejado para o quinteto titular do Jazz por causa de uma lesão sofrida por Dante Exum antes do início da temporada de 2015-16, mas ele voltou a ser banco depois do All-Star break, devido a chegada de Shelvin Mack.

Desde então, seus minutos em quadra vem diminuindo muito, ele está atrás de Exum e Mack na disputa pela vaga de armador do time, e nesta temporada, George Hill também busca uma vaga no quinteto titular.

Na temporada de 2016-17 da NBA, Raulzinho teve médias de 2,5 pontos, 0,9 assistências e 0,5 roubos de bola por jogo, com um aproveitamento de 45% dos chutes tentados. As médias baixas do armador brasileiro se devem muito ao fato dele ter jogado apenas 8,7 minutos por jogo, Neto jogou apenas 40 jogos nesta temporada.

É claro que, mesmo tendo um papel menor no time, o Jazz ainda precisa contar com seus jogadores do banco, para aumentar a intensidade do time quando for necessário, Neto jogou muitas vezes como titular, no lugar de Hill e outros.

A fim de analisar mais adiante o que Neto pode oferecer para o Jazz, vamos olhar para suas forças, fraquezas e o que pode acontecer no futuro.

Forças

Mesmo sendo desvantajoso em termos de altura (ele mede 1.88m) e atletismo, o atributo mais eficiente de Neto é sua perspicácia defensiva. Em sua primeira temporada na NBA, ele acumula médias de 2.2 roubos de bola, uma marca que seria líder em estatística nessa temporada pelo Jazz.

Ele muitas vezes tira os adversários da zona de conforto, marcando seus rivais com pressão, segurando forte e nunca deixando sua guarda para baixo. O Jazz como um time foi excelente na defensiva, mas Neto teve o quinto classificado melhor defensivo, de acordo com Basketball-Reference.

Ele não é abençoado com uma das melhores envergaduras da liga, ele tem apenas 1.83m de envergadura, mas ele provou ser eficaz na marcação contra armadores que estão acostumados a arremessar várias bolas num jogo, como Stephen Curry, James Harden e Damian Lillard.

Na verdade, Neto se classifica muito bem em termos de defesa pick-and-roll, já que ele permite que o jogador adversário marque apenas 0,75 pontos por posse nesses casos. Isso o coloca como o 76º melhor jogador nesse quesito de defesa em toda a liga.

Ele não tem uma tonelada de ferramentas em seu arsenal ofensivo, mas o que pode ser dito sobre Neto é que ele conhece suas limitações e sabe tirar o melhor delas. Ele quase nunca inventa algo novo em quadra, fazendo apenas seu "feijão com arroz".

Quando ele tem uma oportunidade de arremessar, ele chuta bem, tendo um aproveitamento de 61,5% dentro dos 1.53m do aro.

Fraquezas

Talvez a maior falha que um armador possa ter na NBA moderna é a incapacidade de acertar bolas de 3 pontos. Sem poder ameaçar o time adversário com bolas de três pontos, os defensores podem marcar de maneira mais fácil Raulzinho, já que sabem que podem deixar ele livre no perímetro.

Isto é algo que Raulzinho precisa melhorar para jogar mais e melhor, ele teve um aproveitamento de apenas 32% nos arremessos de 3 pontos na temporada de 2016-17 da NBA.

Neto não é um excelente passador, ele deu apenas 3,5 assistências em média, a cada 36 minutos em quadra, o que mostra que ele tende a não passar a bola com frequência em quadra.

Pode parecer óbvio, mas Neto não chega à linha do lance livre com freqüência, ele tem médias de apenas 9 tentativas da linha do lance livre em toda a temporada.

Apesar de ser bom em roubar bolas, Raulzinho não vai bem quando está em transição, produzindo apenas 0,8 pontos por posse de bola. Este não é um grande problema, dada a forma metódica de como o Utah Jazz gosta de jogar, mas poderia prejudicá-lo numa eventual troca de time.

Com suas fraquezas definidas, o que realmente preocupa é que Raulzinho não tem muito o que melhorar na maior liga de basquete do mundo, aparentemente esse é seu máximo.

A temporade de Raulzinho Neto na NBA
Raulzinho em ação contra o Golden State Warriors de Stephen Curry

O que ele precisa melhorar?

Após ter assinado um contrato de três anos ao ingressar no Jazz vindo do draft, Raul Neto faturará 1,4 milhões de dólares na próxima temporada. Depois disso, ele deverá se tornar um agente livre restrito, provavelmente ganhando mais do que o planejado para ele receber se continuar atuando pelo Utah Jazz (1,8 milhões de dólares).

Se achar que vale a pena pagar algo a mais por ele, o Jazz pode pagar algo a mais e trazê-lo de volta, vai depender muito de como o time de Utah se comporta nessas próximas duas temporadas.

Com 25 anos de idade, Raulzinho precisa melhorar sua forma atlética em quadra, ele ainda pode melhorar muito seus arremessos, principalmente de 3 pontos.

Com uma ligeira melhora nos seus aproveitamentos nos arremessos, o armador brasileiro pode se destacar na NBA, e ser um diferencial no elenco do Utah Jazz, que precisa de alguns ajustes para ser competitivo na Conferência Oeste.

A inexplicável apatia de James Harden

Faltou a Harden lutar mais no jogo de ontem, que eliminou seu time, o Houston Rockets, dos playoffs da NBA

POR Thiago Colman dia
A inexplicável apatia de James Harden
(Créditos: Getty Images)

Nos playoffs, em casa, depois de uma temporada digna de um MVP,  boa parte de quem acompanha a NBA esperava que James Harden liderasse o Houton Rockets a vitória, e por conseguinte, empatar em 3-3 as semi-finais da Conferência Oeste, contra um San Antonio Spurs que estava desfalcado de seu único All-Star, apesar de tudo isso estar a favor do Barba, James Harden terminou o jogo com pífios 10 pontos. No primeiro quarto, ele tentou dois arremessos. Houston perdia por 19 no intervalo. Na segunda metade do jogo ficou ainda pior. Harden terminou o jogo acertando apenas 2 bolas, das 11 que ele tentou do perímetro, ele também cometeu 6 turnovers e 6 faltas. O Rockets perdeu por 39 pontos.

Quando pensamos em jogos de playoffs lendários, geralmente lembramos de jogos onde uma superestrela rompe a barreira do imaginável e deixa todos boquiabertos com seu desempenho, seja por uma cesta decisiva (like Mike), ou um toco que as pessoas sempre lembrarão (like LeBron). Ontem à noite, James Harden foi o oposto de tudo isso.

Esse foi um jogo que vai marcar Harden pelo resto de sua carreira. Isso pode soar dramático e injusto, e pode ser que seja isso mesmo, mas também é um fato. Toda vez que Harden fizer algo incrível nos próximos anos, alguém vai se lembrar da derrota na noite de quinta-feira para o San Antonio Spurs. Toda vez que afirmarem que ele merece ser MVP, alguém usará o Jogo 6 para dizer que não. Harden deu ao mundo inteiro um argumento forte para todos refutarem sua qualidade dentro da NBA.

Mas, precisamos sermos justos também, não foi apenas Harden que se mostrou apático no jogo. Ryan Anderson fez 14 pontos e 6 rebotes no jogo 1, ele também ajudou a parar LaMarcus Aldridge, que terminou com apenas quatro pontos nesse jogo. O Rockets ganhou o jogo 1 por 27 pontos de vantagem. No jogo 6, Anderson errou todos os 6 chutes de 3 pontos que tentou, e Aldridge teve lampejos de Olajuwon, contra os pivôs de Houston. Esse foi um grande jogo para LaMarcus, que vinha numa descendente no time do Spurs.

Durante todo o ano, esse time do Rockets foi superestimado. Eles não possuem um defensor razoável em seu elenco, Mike D'Antoni não é um treinador de elite, a tática do time é basicamente chutar de três, Ryan Anderson não vale os 80 milhões de dólares que o time pagou, James Harden não se mostrou um líder, ele não conseguiu liderar o time nos playoffs. Todos os estereótipos de que o time do Rockets poderia ser campeão com esse elenco, foram refutados no jogo 6. Não se pode afirmar que eles não podem consertar todos esses problemas no próximo ano, eles tiveram uma excelente temporada regular este ano. Mas pelo menos na noite de quinta-feira, eles mostraram que não merecem nem mesmo irem para a final da Conferência Oeste.

Como a principal estrela do time é James Harden, a maior parte da culpa caiu sobre ele, com razão. Em um jogo onde Kawhi Leonard ficou de fora da partida, Harden não soube aproveitar a oportunidade de ser mais levemente marcado, ele terminou com apenas 1 acerto em 6 arremessos tentados, com 4 turnovers até o final do último quarto. Ele parecia lento o tempo todo. Ele sentiu a pressão, depois do senhor de 39 anos de idade, Manu Ginobili ter lhe dado um toco na prorrogação do jogo 5. Eis que veio o jogo 6 e a derrota de 39 pontos de diferença.

D'Antoni disse que o time estava pressionado: "Se está tudo bem com vocês, eu realmente não quero litigar o que aconteceu. Isso acontece. Eu disse aos caras, eles tiveram um ano inacreditável. Nós fomos acima de todas as expectativas. Eles lutaram como loucos. Por alguma razão neste jogo, nós não tivemos bem, nós não tivemos o material necessário para vencer a partida."

A coisa que mais faltou ver em Harden foi a falta de raça. Começou no final do jogo 5 e continuou no jogo 6. Ele estava desligado em quase todas as posses de bola do time, seus passes foram descuidados. Ele jogou como se a partida fosse no final de fevereiro, como se fosse uma partida amistosa.

Muitas pessoas vão achar que estão cobrando demais o Barba depois do jogo 6, mas acho que a crítica deve ser feita, para ele melhorar como jogador. Esse jogo foi surreal. O jogo ofensivo de Harden, sua melhor qualidade, se mostrou nulo. Uma coisa é errar arremessos, outra coisa é nem mesmo tentar arremessar. A menos que haja algo que não sabemos, a maneira como Harden jogou será inexplicável por anos.

Algumas das críticas feitas aqui são exageradas, claro. Algumas delas podem ser injustas. Aldridge por exemplo, teve seu jogo horrendo no começo desta série e saiu por cima com 34 pontos e 12 rebotes na noite de ontem, ninguém lembrará que ele jogou de maneira apagada o jogo 1.

Mas tudo isso é o que torna os playoffs da NBA irresistíveis. O basquete tem mais superestrelas do que os outros três esportes americanos combinados. Cada expressão facial é capturada na câmera, cada citação engraçada vira um meme, e os astros da NBA transformam-se gradualmente em personagens que todos que acompanham esportes podem reconhecer. Quando os playoffs começam, essas estrelas são classificadas como superestimados ou subestimados. Eles precisam dar o máximo de si em suas equipes, dissipar as críticas estúpidas, ganhar títulos e passar por momentos que definirão suas reputações de maneiras que não são completamente racionais, e o resto do mundo os observa tentar responder.

É uma equação verdadeiramente ridícula, mas pode nos dar lembranças como Dirk Nowitzki derrotando o favorito Miami Heat em 2011, Kevin Garnett sendo uma muralha defensiva em 2008, Ray Allen e sua cesta de 3 pontos decisiva em 2014 ou LeBron James dando o toco no ano passado. E às vezes, às vezes nos dá lembranças totalmente opostas, como a maneira como Harden jogou contra o San Antonio Spurs.

Falta muito para Harden conseguir um lance memorável na carreira, até porque, isso é para poucos. Harden mostra uma apatia tremenda em momentos decisivos, nas oportunidades em que se precisa ser quente, ele é frio, quando é a hora de se tornar protagonista, eis que Harden se torna antagonista. Harden necessita chamar o jogo para si, e decidi-lo, coisa que seu rival na briga pelo MVP, Russell Westbrook, fez com destreza na temporada regular, apesar de ter um time inferior ao do Barba.

©2015 - 2017 Sobe a Bola - Todos os direitos reservados.